Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



30 anos?!

por t2para4, em 05.03.15

 

Expliquem-me, devagarinho e com jeitinho, como é que o "Regresso ao Futuro" já conta com 30 anos... A sério, 30 anos???? Como é que é possível, a sério, como?? Para mim, o Michael J. Fox terá sempre ar de puto, de calças de ganga, em cima de um skate; e o Doc será sempre..., bem, o Doc com aquele ar esgroviado e cabelito no ar. Não percebo...

Se eu ainda penso que os anos 90 foram tipo, há 10 anos atrás e escandaliza-me já ter que tratar malta dessa geração como adultos (pois, para mim, ainda são "miúdos", não é? 1993 foi há pouquíssmo tempo, então!, eu prórpia miúda!), como é que eu encaro um filme dos anos 80??? Eu que sou da casta dessa década e não me sinto nada com a idade que dizem que temos. Tanto quanto eu me lembro, ao fazer contas de cabeça, nasci em 1980, logo, tenho vinte e poucos anos... (suspiro)

 

O tempo passa e nem damos por isso... Um filme icónico já com 30 anos, os "miúdos" dos anos 90 já adultos e com família e as minhas filhotas já com ar de teenager... Não, não estou a exagerar... Vi algumas das fotos que tirámos na viagem à Serra da Estrela e elas estão mesmo crescidas, com aquele ar de miúda pré-teenager (vá, pita, portanto, ehheheh)... Caramba...

Preciso de outro café.

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25

Fomos à neve. E mais qualquer coisa...

por t2para4, em 03.03.15

Volto a afirmar que consideramos importante este tipo de vivências, desde uma simples ida ao supermercado a uma viagem algo mais longa. A experiência visual, sensorial, real de estar ali, naquele lugar, e poder saber mais sobre ele, in loco, não se compara ao que se aprende através dos livros ou net. E há sempre algo que os nossos olhos vêem de diferente e que uma câmara não consegue captar.

Fomos de viagem até à Serra da Estrela, de novo, à espera de encontrar neve. E encontrámos. E, visto que, desta vez, não tínhamos paredes de 2m de gelo em nosso redor, até arriscámos a ir mais longe e visitar outros pontos interessantes.

 

Da Torre, seguimos para baixo, em direção à nascente do rio Zêzere, no Covão da Ametade, que, não é nada mais nada menos do que um antigo glaciar que dá para uma antiga lagoa glaciar... Quem diria que tínhamos a Idade do Gelo aqui ao lado, hein? Uma paisagem de tirar a respiração, um cenário idílico, lindo até perder a vista. Não fomos ver a nascente do Mondego, talvez no verão ou para o ano.

Brincámos imensp na neve. Uma neve diferente da do ano passado. Esta não era fofa nem seca nem leve; era mais molhada, suscetível a derretimentos, mais dura, quase gelo mas sem o ser (temos de importar as palavras esquimós para nos ajudar a definir as diferentes neves). Havia muita neblina e nevoeiros, uma claridade estranha. Mas foi maravilhoso brincar, correr, pular e verificar que, no espaço de 1 ano e 1 semana, as piolhas cresceram tanto, estão tão altas, tão crescidas, que até parece mentira...

 

Algumas curiosidades:

Torre - temos a GNR num dos edifícios, um marco geodésico a indicar o ponto mais alto da Serra e de Portugal Continental, com a Torre a perfazer a altura restante para arredondar as contas para os 2000 m de altitude. A estância de ski é logo ali ao lado (mas digo já que não me convenceu minimamente...)

Covão da Ametade - é uma depressão onde repousam sedimentos originando uma pequena planície naquilo que foi uma antiga lagoa de origem glaciar, com um Zêzere muito juvenil em forma de ribeiro de águas transparentes.

Senhora da Boa Estrela - Situada no Covão do Boi, em plena Serra da Estrela, encontra-se esculpida em baixo relevo, na rocha, a Senhora da Boa Estrela, padroeira dos Pastores.

Nave de Santo António - Planalto a mais de 1500 m de altitude, com uma pequena capela, "perdida" no meio da paisagem

 

a1.jpg

 

a3.jpg

a4.JPG

 

a5.jpg

 

a8.jpg

 

a9.jpg

a16.jpg

a10.jpg

 

a12.jpg

 

a6.jpg

 

a7.jpg

 

a15.jpg

 

a2.jpg

 

a13.jpg

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:24

Há dias assim...

por t2para4, em 02.03.15

Se a palavra "cansaço" tiver uma qualquer classificação em latim com subgéneros e critérios e o diabo a sete, quase que aposto que o meu nome vem lá inserido.
Estou e-xau-ri-da...4 horas em consulta + testes + estudos ao que ainda soma a habitual forma de descompressão de dias de consultas da especialidade... Os meus ricos pezinhos... E a minha cabecinha...


Mas, temos boas notícias. Não me atrevo a comemorar com grandes efusões nem a atirar-me ao ar que nem uma louca de tão contente porque, well, been there done that (aqui e aqui)... Desta vez, há que ser comedida. Não vou gritar "Ha, in your face, autism!" porque farei algo muito melhor: vou fazê-lo!

 

Let the games begin!

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

Figura de estilo: comparação

por t2para4, em 26.02.15

Não sei se será um aspeto cultural, linguístico ou algo apenas intrínseco a algumas pessoas; não sei de onde surgiu, qual a necessidade constante de o fazer, se há um objetivo específico no final; não sei o que se ganha em fazê-lo.

 

Acho imensa piada às comparações que as mamãs fazem dos filhos, em conversas. Parece que estão ali a ver qual tem o QI mais elevado ou qual já faz determinados itens de um patamar superior e, depois, cruamente, olhamos para aquelas crianças e vemos... bem, isso mesmo, crianças. Pequenos seres em constante desenvolvimento, dentro dos parâmetros ditos normais, que se babam porque têm dentes a nascer, porque estão a começar a gatinhar, bem, dentro da idade dita normal. Genial? Genial sim porque, nos dias que correm, são os nossos tesouros, filhos desejados e muito amados que, genialmente, se desenvolvem sem dificuldades. Verdadeiramente genial seria já nascerem a comer feijoada e a dizer tabuadas de cor com vislumbres de equações para complementar a Teoria das Cordas.

 

O que me leva à maravilhosa pérola "comparado com alguns casos, as tuas filhas não têm nada". Pois, comparado com o diretor da EDP eu sou uma desgraçada pobretanas. Mas de onde vem isto? Estes termos de comparação apenas nos sobrecarregam de (ainda) mais culpas, por causa disso mesmo: temos um filho com um problema diagnosticado que precisa de terapias (paga algumas se quiseres) + apoios escolares + acompanhamento + sacríficos profissionais da nossa parte mas, comparativamente ao J. que está numa cadeira de rodas porque teve uma encefalite e ficou em estado quase vegetativo, o nosso filho não tem nada... E a culpa atinge-nos em pleno pois, de facto, aquele caso é bem mais grave e sabemos que, possivelmente haverá uma altura em que, pura e simplesmente, deixará de haver progressos... E a culpa atinge-nos de novo...

 

Quem define o que é grave? Quem define o que não é nada? Em que circusntâncias se deve, efetivamente, fazer uma comparação? Se o autismo é todo um espectro onde até podem entrar outros síndromas o que nos é dado como "grave" ou "não grave"? Um diagnóstico, só por si, ganha apenas o peso de estigmatizar? Um diagnóstico, só por si, ainda tem de ser subdividido em outros milhentos diagnósticos? Como se definem percentagens?

Quase tão popular como a pérola "ah mas não parecem autistas!" é este comparar. E isto é grave porque, em épocas de cortes de recursos - humanos, financeiros, técnicos, académicos - quem decide o que é grave? E ético? Será que apoiar uma criança confinada a uma cama, em estado quase comatoso, de progressões quase inexistentes é mais prioritário do que apoiar uma criança quase autónoma mas cujo processamento cerebral é desorganizado porque tem uma disfunção cognitiva? Quem decide o que é mais grave? Comparativamente, quem precisa de mais ajuda?

 

 

Não tenho a quantificação do grau de autismo das piolhas. Lamento desiludir os supostos entendidos na matéria, mas não há como quantificar. É como tentar quantificar um insulinodependente "ah e tal eu sou só 3% dependente de insulina porque só tenho 10% de diabetes". Desculpem-me mas isto não funciona assim. Há um problema, há um diagnóstico, há uma orientação elaborada em função desse diagnóstico e uma terapêutica associada (seja ela medicamentosa ou não).

Aos olhos dos outros, não me interessa se as minhas filhas têm um autismo grave ou ligeiro, se são verbais ou não, se são autónomas ou não, se evoluem ou não. O que vem escrito, preto no branco, daquela forma crua e fria que só os números podem dar em várias avaliações, é que, elas têm uma perturbação do espectro do autismo e precisam de terapia ocupacional, terapia da fala, apoio da educação especial, acompanhamento e outras questões académicas legais e logísticas. Ponto.

É isto que lhes é devido, é isto que lhes foi orientado e encaminhado, é esta a terapêutica elaborada - da mesma forma que se receita um medicamento químico a alguém -, é nisto que temos que nos focar. Não é para aqui chamada a gravidade da situação nem a comparação com outros casos. E, por acréscimo, muito menos a culpa.

 

O que me leva a outro ponto. Há muita gente que têm que meter naquelas cabecinhas ocas que não há nada de engraçado nem de curioso em duas crianças irmãs - gémeas ou não, mas principalmente gémeos - com a mesma perturbação. Eu até entendo que se queira fazer case studies e que, em muitas situações, ajuda imenso aquelas crianças pois a dedicação a elas e o o que se faz com elas é muito mais, mas não me digam "isto é um favor", "esta não é a minha área", "eu vou só ver e depois encaminho", dando-nos falsas esperanças, colocando-nos numa situação de dívida para todo o sempre sem sabermos como a pagaremos. Se não podem, não façam, não digam nada; encaminhem-nos apenas para quem de direito e sobre o que deveremos fazer. Não nos digam "comparado com outros casos que acompanhamos, têm sorte." Sorte? Definam sorte. "Ah e tal, nasci. Olha, tiveste sorte. Podias ter morrido, comparativamente a.... ". Percebe-se o absurdo?

 

Para terminar e ver se nos entendemos. Não estou aqui a defender o autismo/a perturbação/a diabetes/o diagnóstico de ninguém. Não estou a acusar ninguém (pelo menos direta e objetivamente). Não estou a vitimizar-me.

Estou, apenas, a tentar passar a mensagem de que, passando nós (nós e outras famílias) pelo diabo como passámos, tendo o trabalho extra que temos, sacrificando as nossas opções profissionais e estudos como fizemos sem nos queixarmos nem nos arrependermos disso, merecemos respeito. E, para começar, seria bom evitar estes chavões "no fundo, até tiveram sorte. Conheço um casal que tem um filho ............", "está caladinha, que comparado com outros casos, como os que vão à tv, os teus filhos não têm nada...". Isto magoa, culpabiliza-nos, aterroriza-nos e deixa-nos num labirinto de pensamentos e emoções. Para nós, independentemente da gravidade atribuída por leigos, já basta o que basta. Pela simples razão que é algo que atinge os  nossos filhos.

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08

A saber as reações das piolhas no Facebook do blog

Basicamente, vou ter uma prova contra uma adolescência tramada muahahahahahhahaha

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

Atentar, com o triplo da atenção (passe-se a redundância), à parte que indica que não há um marcador biológico nem genético para confirmação do autismo. Poderemos e talvez cheguemos lá,  mas, para já, não me digam que uma análise ao snague diz se alguém tem ou não autismo. Isto não é diabetes ou um teste de gravidez.

 

 

Pediátrico de Coimbra participa em estudo europeu sobre autismo

 

Analisar de forma abrangente a atual situação do autismo na Europa. É este o objetivo do projeto europeu ASDEU (Autism Spectrum Disorders in Europe), que foi selecionado para financiamento pela Direção-Geral da Saúde e dos Consumidores da Comissão Europeia, no valor global de 2,1 milhões de euros e que terá a participação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Instituto Ricardo Jorge).

 

Este projeto pretende efetuar um estudo de prevalência do autismo em 12 países da União Europeia (Dinamarca, Finlândia, Itália, Espanha, Portugal, Polónia, Roménia, Bulgária, França, Áustria, Islândia e Irlanda), bem como a análise dos custos económicos e sociais envolvidos.

 

O estudo em Portugal será efetuado em parceria com o Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC). Os participantes nesta iniciativa vão caracterizar o estado atual de deteção precoce deste distúrbio, incluindo propostas para o desenvolvimento de programas de deteção, e formação de profissionais para estas áreas.

 

Um outro aspeto particularmente importante do projeto ASDEU está relacionado com a validação de biomarcadores e análise da situação no diagnóstico desta perturbação. Isto porque não existe, no estado da arte atual, nenhum marcador biológico específico para identificar o autismo, sendo o mesmo diagnosticado através dos comportamentos clinicamente observáveis.

Apoio a adultos e idosos

Por fim, esta iniciativa europeia pretende também analisar os cuidados e apoio necessários a adultos e idosos com autismo, bem como a comorbilidade associada a esta questão de saúde.

 

O Instituto de Investigação de Doenças Raras do Instituto de Saúde Carlos III, de Espanha, assume a coordenação do projeto. O Instituto Ricardo Jorge, através do seu Departamento de Promoção a Saúde e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis, é uma das entidades envolvidas neste projeto, integrado num grupo de 19 instituições de 14 países europeus.

 

Este estudo será fundamental para um conhecimento da realidade em Portugal e noutros países Europeus em relação ao número de indivíduos com Perturbações do Espetro do Autismo, às suas condições de vida e aos custos sociais e económicos desta condição”, refere Astrid Vicente, coordenadora do Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis do Instituto Ricardo Jorge. Ainda segundo a investigadora, “este conhecimento contribuirá para a adequação das políticas de diagnóstico, apoio e intervenção à realidade europeia”.

O ASDEU terá a duração de 36 meses. O projeto irá ainda relacionar-se com uma outra iniciativa europeia em curso nesta área, denominada de “European Autism Interventions – A Multicentre Study for Developing New Medications (EU-AIMS)”, prevendo também a realização de duas conferências europeias: a meio do projeto, em 2016, e a segunda no final do mesmo, em 2017.

 

in As Beiras de 10.02.2015

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:39

Já há muito que não fazia ementas nem mensais nem semanais nem nada! Claro que, acontecia ter que me preocupar de véspera ou de manhã e ter que me sujeitar a querer preparar o jantar e ainda ter os alimentos congelados e enfim. Tenho andado mais desorganizada do que desejava.

Portanto, a ver se começo a sentir controlo da coisa, de novo, foi tempo de pegar num livro de receitas ("As receitas do chef Tiger", oferecido por uma amiga) e em algumas revistas do Continente, puxar pela cabeça, pensar no que tenho no congelador e despensa e escrever.

Como habitualmente, nada do que pressupus para o mês é estanque. Provavelmente, mudarei de lugar algumas sugestões e outras até nem serão concretizadas (se formos almoçar aos meus pais ou sairmos).

 

besthungerfood-lg.jpg 

 

Ora, sugestões:

fevereiro:

23 - pataniscas de bacalhau com arroz de grelos

24- frango estufado com batata cozida

25- sopa de grelos + peito de frango com alecrim e puré

26- massada de lulas

27-omolete de queijo e fiambre

28-arroz de cogumelos + sardinha sem espinhas+ canja de ameijoas

 

março

1- lulas com molho de pimento vermelho + costeletas grelhadas com arroz branco e grelos

2-ovos mexidos com salsichas e batata palha

3- codorniz no forno com batata assada

4- esparguete à bolonhesa + creme de legumes

5-pasteis de bacalhau com arroz de tomate malandrinho

6- salada de atum

7-conquilhas + medalhões de peru grelhados com feijão preto

8- frango no forno com limão e tomilho + sopa de alho francês

9- risotto de salsicha

10- caril tailandês de camarões e ervilhas + sopa de feijão com chouriço

11 - bacalhau à brás

12- febras grelhadas com massa tricolor

13- cachorros quentes caseiros

14- canja de galinha + arroz de potas

15- cozido serrano

16- peixe grelhado com esparregado de espinafres

17- grelhada mista com batata frita e arroz de cenoura + sopa de cozido

18- ovos escalfados com ervilhas

19- massa com cogumelos e salsichas

20- pescada cozida com batata e bróculos

21- salada de atum + iscas com batata frita + sopa de couve

22- frango assado com manteiga e ervas

23- sopa de bróculos + costeletas estufadas com esparguete

24- bacalhau no forno com crosta de broa

25- strogonoff de porco com arroz branco

26- sopa juliana + salada de cogumelos e rissóis

27- entremeada grelhada com salada

28- feijoada + creme de alho francês

29 - peixe assado no forno com batata

30- quiche de bacon com agrião

31- tortilha

 

Bom apetite!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:33

Amor é...

por t2para4, em 14.02.15

... escolher momentos únicos e materializá-los, poder trazê-los sempre comigo, na memória, no coração e perto do tempo.

Uma excelente prenda de São Valentim do marido e das piolhas lindas. Adorei.

 

a.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:25

Nem me digam nada!

por t2para4, em 09.02.15

2015-02-09_120904.gif

Autismo: a encher a minha vida de cheiros, cores, trabalho e toneladas de lençóis nos estendais desde 2007. Preferencialmente nos Invernos. Um querido. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:09

Finalmente - fim de semana!!!!!!!!!!

por t2para4, em 06.02.15

Pc, facebook, emails, e afins. Até 2ª feira!!!! Prometo que respondo mas, para já, estou na onda da família, e só quero fim de semana!!!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Workshop "O Autismo não é um bicho!"

por t2para4, em 03.02.15

 

Como surgiu a ideia:

Por que não uma sensibilização conjunta, com outros pais (e bloggers) e fora do contexto escola, podendo contribuir com a totalidade do valor dos bilhetes para uma associação?

A ideia surgiu, o Pais com P grande procurava famílias, eu juntei 1+1, fiz o convite et voilà, cá estamos de evento marcado, para dia 11 de abril, às 10h30 (1ª sessão) e 14h30 (2ª sessão). Assim, este abril, t2para4 e Pais com P grande promovem a consciencialização do autismo, no centro do país, a cerca de 30 km de Coimbra, na Lousã.

 

Objetivos:

  • Sensibilizar para a temática do Autismo enquanto perturbação neurológica e de desenvolvimento e não enquanto doença
  • Sensibilizar a população para a existência do Autismo
  • Alertar para uma correta avaliação do desenvolvimento da criança e, assim, auxiliá-la e à família no seu percurso
  • Promover o conhecimento do Autismo, evitando assim discriminação, comentários de terceiros, olhares de esguelha, uso de chavões
  • Mostrar que o desenho e o sonho são transversais a todas as crianças de idades, credos, raças, estados de saúde, etc.
  • Promover uma integração saudável e eficaz de crianças com autismo
  • Incluir a comunidade educativa no contexto escolar das necessidades educativas especiais
  • Dar a conhecer outras formas de comunicação
  • Proporcionar a hipótese de troca de ideias, experiências, conversas, etc.

 

Desenvolvimento:

Faremos um workshop criativo, muito sensorial, com muita cor/brilho/purpurinas! E histórias com recurso a formas de comunicação alternativas! Contamos com muita gente, muita imaginação e interesse. Cada sessão tem a duração de aproximadamente 60 minutos cujo final está reservado a uma apresentação sobre o que é (con)viver com o autismo, contada na primeira pessoa. É importante que, independentemente, da faixa etária possamos estar num ambiente descontraído, de aprendizagem subtil, de envolvimento, de criatividade e, acima de tudo, de inclusão.
O espaço é fantástico: temos uma sala muito especial reservada para a ocasião, com uma pintura deslumbrante que fará as delícias de todos os presentes. Para que tudo corra bem e aproveitemos ao máximo o que temos preparado, a audiência está limitada a um máximo de 10 pessoas/sessão.

 

 

Preço e inscrição:

Cada bilhete tem um custo de 5 (cinco) euros cujo valor reverte, na totalidade, para a AME (Associação Mães Especiais), apenas neste workshop específico. As inscrições podem ser feitas através do email t2para4@sapo.pt ou Pais com P grande (em http://www.paiscompgrande.com/workshops/  , onde se explica a forma de pagamento).

 

 

Data e horários:

Sábado, 11 de abril de 2015

10h30- 1ª sessão; 14h30 - 2ª sessão

 

 

Local:

Instalações do IMMA (Instituto Moderno de Música e Artes), Rua Dr. José Pinto de Aguiar n.56, 3200-389 Lousã (Sarnadinha) 

Coordenadas GPS:  

Latitude: 40.119073
Longitude: -8.232236
Graus Decimais
Latitude: 40º 7' 8.7" N
Longitude: 8º 13' 56.1" W
Graus, Minutos, Segundos

2015-02-03_211201.gif

 

Poderão perguntar:
- Mas porquê na Lousã?

Porque, como acontece com cidades onde existem instituições importantes, na Lousã temos a ARCIL, cujo trabalho e percurso tem sido de uma importância e apoio enorme para cidadãos com os mais diversos tipos de deficiência e respetivas famílias; porque, apesar de tudo, é uma localidade onde a inclusão parece acontecer e há um esforço notório para tal.

Além disso, é uma localidade extremamente agradável, com uma paisagem muito natural e calma, a uns meros 20 minutos de Coimbra, com acessibilidades razoáveis. E, porque, graças ao IMMA, temos um espaço onde realizar este workshop, materiais gentilmente cedidos pela Fábrica Papel do Prado e apoio da Câmara Municipal.

 

- Mas, e porquê este título? 

Simplesmente porque me cansei de ver o tratamento social que se dá a indivíduos com autismo, como se, em muitos dos casos, tivessem um "bicho" que poderia causar uma virose ou algo do género. Sim, o autismo rouba-nos os filhos e sequestra-os num mundo (que ainda não consegui descortinar se será melhor ou pior que o nosso) do qual temos que resgatá-los, sem saber como/quando/com quem. Não, o autismo não é contagioso; não, o autismo não é nenhuma doença; não, o autismo não é só um daignóstico. Comecemos por dizer que o autismo é ver o mundo como se tivessemos uma lente alternativa, é o conseguir viver entre dois mundos, é o ser capaz de ver as árvores antes de ver a floresta.

 


Captei a curiosidade? Venha saber mais connosco, dia 11 de abril.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:52

Não posso:

  • Ler livros/artigos/resportagens sobre autismo, na desportiva. Ou leio ou não leio.
  • Ver filmes sobre autismo. Não vejo filmes desses na desportiva, vivo-os intensamente, faço comparações, choro, rio, revolto-me, celebro vitórias. Não há nada de divertido em ver estes filmes, só porque sim. Cada filme desses, para mim, é um regressar ao passado e um causador de um medo tremendo do futuro.
  • Ouvir alguém começar uma frase com “sem ofensa, mas…”. Pensar antes de falar, por favor. Sou muito prá frentex e aceito muita coisa mas, bem, vivo no meio do autismo, por isso, cuidado com as palavras/sugestões/expressões utilizadas.
  • “Deixa as miúdas com alguém” Não posso, por isso, nem se deem ao trabalho de o dizer. Não posso simplesmente deixá-las com alguém...Só as deixo com alguém em quem confio com a vida. E depois de ter ensinado tudo o que posso. Eu própria ter ensinado tudo.
  • Sair, nem que seja para despejar o lixo, sem o telemóvel. Se algo acontece na escola, seja por que motivo for, eu quero ser a primeira a ser informada. E poder colocar-me lá em menos de um nada. E evitar que al que se resolveria em minutos possa arrastar-se uma semana...
  • Pensar no amanhã, como quem pensa na faculdade dos filhos. Neste momento, enquanto família, temos tanto entre mãos que não sabemos sequer como será a próxima semana quanto mais daqui a 10 anos. Desejamos que consigam autonomia e perspicácia para viver nesta sociedade complicada, tirar a carta de condução, arranjar um trabalho, comprar casa e carro e até constituir família! O que elas fazem agora não se compara nada ao que faziam antes e não sabemos que evolução terão. Nunca imaginámos que chegassem onde chegaram, assim, tão rápido e com tão bons resultados. Mas, sofremos muito para cá chegar. Por isso, planear para tão longe no tempo é algo que nos custa.

Posso:

  • ouvir episódios sobre os filhos de colegas e amigos e evoluções e, embora, sempre comparando, há algo em que se relacionam e faz-me sentir incluída, ser mais uma mãe – só mãe, sem rótulos.  
  • responder de forma honesta e bem pensada sobre o autismo. Não é o fim do mundo - embora, às vezes, se pareça como tal - e não me importo que me façam perguntas construtivas e interessadas. Só assim poderá haver uma maior consciencialização e aprendizagem.
  • aceitar uma palavra amiga, um abraço, um café quando é óbvio que não estou numa fase boa. É simples, barato, acessível e ajuda-me a seguir em frente.
  • ouvir episódios divertidos sobre os filhosdos outros. Também temos a nossa quota parte de cenas caricatas.
  • falar de outras coisas! Também gosto de futilidades e de desabafar sem ser sobre autismo.
  • estabelecer relações com outras famílias com crianças com autismo. Não posso mudar o mundo, não tenho muito tempo livre entre mãos, mas, se puder ajudar, não consigo dizer que não, mesmo que não saiba o que dizer ou fazer, mesmo que não tenha muita disponibilidade para longas conversas ou esteja semre a ser interrompida pelas piolhas...
  • dizer piadas sobre a minha vida. Eu faço piadas sobre a minha vida. Os outros podem acompanhar-me na gargalhada, apenas.

 

Traduzido e adaptado de:

 Lauren Swick Jordan blogs at I Don’t Have a Job.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:40

Tagarelice #42

por t2para4, em 03.02.15

Conversa, à mesa, sobre as profissões.

 

Mãe - Então, que querem ser quando crescerem?

Piolha 1 - Eu quero ser bailarina! (melhor do que querer ser pony. A certa altura da vida, todas as meninas querem ser bailarinas, cantoras, cabeleireiras ou professoras - esta foi proibida considerar sequer como opção)

Piolha 2 - Eu quero ser princesa! (Bem, o prince George tem cerca de 6 anos de diferença das piolhas, não é muito. Pode ser que tenham sorte.)

Pai - Então e que profissão temos nós?

Piolha 1 - Tu és s. e a mãe quer ser professora de Inglês!

 

Note-se a perfeita utilização dos verbos e a perceção aguçada da realidade destas miúdas. Está fantástico. E 100% real. É que, neste momento, a mãe até teve que voltar a estudar e tudo para poder continuar a exercer a profissão, mesmo depois de ter licenciatura pré-bolonha, profissionalização extra-curso, certificado profissional, etc etc etc...

E, sem ver notícias ou ler legislação, eis que, a minha filha acerta na mouche.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

Boas novas - avaliação de natação

por t2para4, em 02.02.15

Não tenho nenhumas sereias nem peixinhos pro em casa mas ter uma avaliação francamente positiva (suficiente, claramente) e um tremendo gosto pelas aulas de natação, a pedido das piolhas para regressar, depois disto, é qualquer coisa de muito extraordinário.

 

Ainda falham muitos aspetos no equilíbrio e na propulsão, a respiração vai sendo controlada, mas o importante é que, agora, elas gostam mesmo de lá andar. E estão mais maduras e conscientes das regras e dos esforços a realizar, dos objetivos a alcançar. Ainda estão no tanque pequeno e a maioria dos colegas é mais novo e mais baixo mas não quero saber. Nem elas (nem eu!!) estão preparadas para passar para o tanque grande e têm imenso tempo pela frente. Não estamos numa de competir com ninguém. Além disso, dadas as prioridades e carga de trabalhos que têm, a natação é a única atividade extra-escola e apenas uma vez por semana.

 

Ainda não lhes disse que estavam no bom caminho. Logo já terei algo bom para lhes contar. Yay!!!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57

A memória pode mudar o mundo

por t2para4, em 27.01.15

E evitar que a história se repita.

 

Há 70 anos atrás, o mundo descobria, de forma nua e cua, os horrores escondidos de uma guerra longa demais, terrível demais, mortal demais. Ainda hoje, depois de tantas horas de estudo sobre o assunto, de tantos documentários visualizados e artigos lidos, me choca e me espanta e me indigna a capacidade destrutiva que o ser humano tem contra os seus semelhantes. Nunca pensei que fosse possível descer mais baixo do que o baixo e ser-se tão pouco humano, tão pouco.

 

Mas a memória que deveria proteger o futuro e evitar que outros holocaustos se repetissem parece falhar, de vez em quando, e vamos vendo massacres, genocídios e fins sem sentido... E há sempre um personagem que tenta armar-se em Hitler e tentar subjugar o mundo e renega existências históricas, ofendendo, assim, a vida humana, os sobreviventes do horror.

Por muito que tente, há coisas que jamais entenderei... E, honestamente, quando chegar a altura não sei o que explicar às minhas filhas... Será correto retirá-las de um mundo seguro - embora isolado e socialmente limitado - para o nosso mundo? É isto que se supõe ser-se "um ser social"?

 

A História não é ficção. Estudá-la é um excelente remédio contra perdas de memória.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens