Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Consulta de autismo

por t2para4, em 19.02.11

Na passada semana, as piolhas tiveram consulta na Unidade de Autismo. A consulta correu muito bem e pouco tempo estivemos à espera para sermos atendidos. A educadora do apoio, à semelhança do que fez na consulta de Novembro, foi lá ter.

 

Foi feita a triagem mas não correu bem: nenhuma das duas deixou medir a tensão arterial e começaram a ressentir-se com o calor (tirei-lhes a camisola), pesam 13, 400 as duas, uma mede 95 cm e a outra 97cm. Foram feitas as pergunta das praxe: se têm sido saudáveis, se estão no jardim de Infância, se há alguma questão a colocar que o enfermeiro possa ajudar. Por agora, tudo bem.

 

Aguardámos um pouco na sala de espera, dei iogurtes e fomos logo chamados. O médico-pediatra que acompanhará as gémeas neste processo (sei lá até quando) chama-se Frederico Duque e gostei muito dele. Trabalha na equipa da dra Guiomar e optou por ficar com as duas pois a convocatória da consulta indicava que cada menina teria o seu pediatra. No gabinete (minúsculo) estavam o pediatra, nós (eu, o marido, as gémeas e a educadora do apoio), duas psicólogas e uma estagiária. Foi de bradar aos céus porque começou logo a ficar calor demais, as gémeas a descompensar e a transpirar, eu a tirar-lhes roupa. A ed. do apoio foi com uma piolha para uma sala fazer a avaliação com a psicóloga e a outra ficou connosco naquele gabinete.

A avaliação faz parte de escala de perguntas e análises a vários parâmetros, desde motor a comportamental a cognitivo. Pelo que vi pela piolha, fez alguns exercícios de cópia de traços (círculo, cruz, 3 linhas paralelas), encaixes cronometrados, imitação de jogos, reconhecimento ou identificação de cores, objectos, letras do alfabeto (ela conhece 18 e lê definitivamente o seu nome e o da irmã), associação de objectos a acções (tipo, os talheres são para comer), etc. Chama-se a isto avaliação na escala de Griffiths. Já tinha encontrado isto na net quando andei nas minhas pesquisas, no final de Agosto, mas achei que era ir longe demais ser eu a fazer este tipo de avaliação em casa. Bem, resultados dados: a média é 100, uma apresenta 108 e outra 110, no total. Em algumas áreas vão até aos 130 mas noutras estão nos 80.

O médico, no final, e depois de imensas perguntas que acabam por ser a repetição daquilo que já contámos vezes sem conta em consultas anteriores, disse que as gémeas estão muito bem trabalhadas e estruturadas, que se mantém o quadro de desvio do espectro autista e que, tal como mostra a avaliação feita, haverá sempre um desfasamento no seu desenvolvimento mas que, no seu todo, compensa bem as coisas; disse para mantermos o apoio do PIIP, a terapia da fala e o trabalho contínuo que temos feito em casa com elas (disse que sou muito assertiva, o que é bom). Marcou nova consulta para Setembro e disse-nos que é nessa altura que faremos os testes genéticos, nós apenas, para já.

Fomos informados que receberemos pelo correio, uma série de documentação sobre a avaliação e o relatório do médico.

 

Finda a consulta, fomos falar com a assistente social que nos auxiliou com mais uma série de papelada  e cujas informações disponibilizarei aqui no blog assim que possa. Faz parte da minha lista de afazeres postar uma listagem completa do que pesquisei e do que me informei sobre o desvio do especttro autista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

Decidi acabar com a neura que me tem consumido hoje. Não vale a pena ficar assim triste e revoltada porque não me leva a lado nenhum. Ainda assim, serviu para me aperceber que tenho o meu maior bem em casa: a minha família. E isso basta-me.

 

Dei uma volta às receitas (adoro coleccioná-las) e encontrei algo que poderia sair bem.

 

Bolachas caseiras de limão e canela

 

Ingredientes:

raspa e sumo de 1 limão

2 claras

150 gr de açucar

250 gr de amêndoa ralada (tipo farinha)

1 colher de sopa de canela

50 gr de óleo

farinha

 

Preparação 

Misturam-se as claras com o açucar até formar um creme espesso ao qual se juntam a amêndoa, a canela, a raspa e o sumo do limão e o óleo. Amassa-se tudo muito bem e vai-se incorporando farinha até tornar a massa moldável. Estende-se sobre uma superfície limpa peneirada de farinha com o rolo da massa também peneirado com farinha e fazem-se recortes (eu tenho as formas). Leva-se ao forno em tabuleiro untado com margarina até as bolachas dourarem um pouco.

 

 

 

Escusado será dizer que mal sairam do forno e foram logo atacadas! Mas também me ajudou a aliviar pensamentos e a encarar as coisas com outra ponderação.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:24

Livre arbítrio

por t2para4, em 19.02.11

 

Esta é a minha visão do livre arbítrio. Não há. Em que pude eu escolher o que quis fazer, como quis fazer, como gostaria que fosse feito? Eu sei que hoje estou demasiado azeda e rancorosa, mas, paciência.

 

Acho que o momento onde senti mais a imperiosidade do (não)livre arbítrio foi quando engravidei. Para começar, alguém me perguntou quantos filhos eu queria? E alguém me perguntou se eu queria perder algum ou ficar com todos eles? Em algum momento me foi dada essa escolha?

Engravidei espontaneamente sem dificuldades ou tratamentos. De gémeos. Mas, tinha 3 bolsas e uma não vingou, ficou vazia algum tempo após as primeiras semanas (só descobri a gravidez às 6 semanas e que era múltipla às 10). A partir daí, o tal deus pérfido viu o seu campo aberto para brincar com a minha vida (e a das minhas filhas):

- de cama às 7 semanas com uma gripe;

- contracções desde as 12 semanas;

- suspeita de contracção de rubéola;

- repouso relativo às 16 semanas;

- proibição de conduzir às 20 semanas;

- gastroenterite às 24 semanas e ameaça de parto pré-termo - internamento;

- repouso absoluto desde as 24 semanas até ao parto e mudança de casa (temporária);

- contractibilidade dolorosa às 32 semanas - internamento;

- cólica renal às 34 semanas- internamento;

- parto às 35 semanas, quase 36, por estar em trabalho de parto sem o sentir. Cesariana.

 

E foi assim.

Todos os dias agradeço as minhas filhas terem nascido saudáveis, sem necessidade de incubadora e termos tido alta da maternidade findo o tempo previsto mas não perdoo esse deus pérfido por me ter roubado o melhor momento da minha vida! Nunca me senti tão feliz, confiante, segura e bonita como na gravidez e não pude sair da cama/sofá, não pude fazer nada, não pude fazer festas na minha barriga. Está mais que visto que fui o seu fantoche preferido mas já chega, ouviste? Já tiveste a tua dose, agora desaparece! Estás farto de me causar maldades e eu não estou mais para te aturar.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00

De que adianta?

por t2para4, em 19.02.11

De que adianta tentar ser perfeito ou agradar ou ser profissional ou ser bom em alguma coisa? Onde está o reconhecimento disso?

 

Fui uma excelente aluna, desde sempre mas...

- as ofertas de bolsas de estudo ou vinham tarde ou por décimas não eram para mim ou a minha mãe não queria que eu as aceitasse;

- era tratada como rato de biblioteca, marrona, etc e tal;

- não entrei no curso que inicialmente queria;

- era a mim que, por interesse, se juntava alguém ou me pediam apontamentos;

- estudava imenso para ter boas notas e o cola do colega que se cagava para aquilo tinha as mesmas notas que eu sem fazer a ponta dum corno;

- terminado o curso, trabalho como todos os outros, marrões ou nabos, para ter uma m€&£@ de um ordenado ao fim do mês que mal dá para as p#!@s das despesas que temos

 

Fui uma boa filha mas...

- tenho que levar com as neuras da minha irmã e a minha mãe achar isso naturalíssimo;

- tinha que avisar sei lá com quanta antecedência do que queria fazer, onde ia, com quem ia, a que horas chegava - um relatório completo e detalhado;

- querer casar na data que queria mas, por a+b+c+d, não dar;

- tenho que ouvir a minha mãe recordar com emoção que fez tudo o que quis no seu casamento e eu não poder dizer o mesmo;

- não pude escolher que roupas vestir, que calçado usar, que materiais comprar para usar na escola porque a m€&£@ do dinheiro fazia falta para comer;

- tive que usar coisas que já metade da família tinha usado antes de mim;

- ouvir coisas que me magoam e a minha mãe nem dar por isso;

- sempre levei uma vida de rectidão que pouca recompensa me traz e vejo autênticos playboys e afins femininos a terem uma vidona;

- não querer que as minhas filhas passem a m€&£@ de infância que eu tive e elas terem uma m€&£@ de um diagnóstico de autismo;

- tive que crescer, a bem ou a mal, quando não me sentia preparada para isso;

- só tive uma ranhosa duma Barbie quando as  minhas primas até as deitavam pelos olhos;

- sou criticada pelo que faço hoje porque ninguém entende os meus princípios;

- sou vista como louca porque vi que as minhas filhas tinham um problema quando toda a gente me dizia "ah, cada criança tem o seu ritmo", "isso passa", "está tudo bem, isso são coisas da tua cabeça".

 

Fui boa amiga mas...

- sou posta de parte porque me recuso a beber até cair para o lado;

- como não gosto de passar a vida na casa das pessoas (e, neste momento, tenho uma certa vergonha que venham à minha), não sou bem vista;

- como não consigo deixar as piolhas com os avós para passar a vida a jantar fora com amigos, à primeira recusa, acabam-se as abébias;

- não importa o quão bem eu faça, se telefono, se me preocupo, se me disponibilizo - se eu não posso, sou logo anormal;

- não interessa se ajudei alguém porque nem uma merda de um "obrigado" recebo

 

Sou boa profissional mas...

- ganho o mesmo que os cabrões dos meus colegas que se estão a cagar para o serviço;

- os patrões que gostam do meu trabalho não têm capacidade legal para ficarem comigo;

- sou chamada à atenção por ser honesta e sincera demais;

- não tenho qualquer reconhecimento por aquilo que faço;

- o voluntariado não é bem visto;

- apesar de trabalhar perto de casa, gasto mais combustível do que se estivesse emigrada no cu do mundo;

 

 

Basicamente, não me adiantou de nada ser boazinha, nunca cheguei a lado nenhum com isso. Por isso, doa a quem doer, acabou-se a Mrs-nice-girl. Se é de cabras que o mundo precisa, é que eu vou ser.

Resoluções a muito curto prazo:

- pensar bem mais em mim;

- começar a ser egoísta e a deixar de parte o que alguns acham eticamente aceitável (afinal, o que é a ética? Ser-se íntegro e honesto e levar na cabeça todos os dias? Onde é que isso me leva? A uma sepultura e uns dizeres bonitos? Não estarei cá para ver)

- deixar de roer as unhas e arranjá-las todos os meses;

- fazer um novo corte de cabelo;

- comprar coisas novas para as piolhas e deixar a ideia de ser prática (e poupada) nestas coisas para outros;

- mimar-me;

- namorar mais, brincar mais com as piolhas;

- passear muito! Não preciso de fazer viagens, basta sair de casa e ir à serra, por exemplo;

- fazer coisas que me agradam, independentemente do que os outros pensam;

- acabar com o primeiro passo dado por mim para contactar alguém;

- ser muito mas muito cabra mesmo com quem me trata mal;

- ser feliz, acima de tudo!!

 

E quanto a ti, deus pérfido, que há anos me persegues a tentar infernizar a minha vida,  vê se tomas rumo e vais assombrar outro palerma qualquer porque daqui já não levas mais nada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:34

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens