Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Visita ao pinhal

por t2para4, em 27.09.12

Faz parte dos nossos planos sair com as piolhas para fazer percursos pedestres e percorrer algumas rotas indicadas e sinalizadas na nossa serra. Achoq ue, quer pela proximidade com a Natureza quer pelo passeio em si, as piolhas só têm a ganhar. 

Mas... tinha que experimentar levá-las a um ambiente desse género antes de nos metermos em aventuras. Perto da casa dos meus pais há alguns pinhais por onde me aventurei imenso quando era miúda e onde costumávamos ir apanhar pinhas com amigas ou com a minha irmã. Esses pinhais ainda existem e pedi ao meu pai para ir connosco. Sugeriu um que está limpo e foi uma preciosa ajuda com as piolhas pois elas, já se sabe, têm uma noção muito reduzida do que é perigoso e não quis ir sozinha com elas.

Assim, recolhemos folhas das árvores do pinhal (que tem bem mais do que pinheiros) e arredores, encontrámos alguns frutos no chão e um vaso de resineiro quase intacto (que trouxe comigo em memória de um trabalho que fiz num museu etnográfico em tempos idos) - que acabou por servir para colocar figos que apanhámos no quintal, depois -, aprenderam-se os nomes das plantas mais comuns da nossa serra e passámos um bom bocado.

 

As piolhas correm muito, óbvio, o que lhes valeu algumas quedas em raizes e a aquisição de que a caruma pica e talvez seja boa ideia andar mais devagar; o avô teve que ir buscar uma delas à orla do terreno (fica uns 2 ou 3 metros acima da estrada) e fazer cara feia dizendo que para ali não se podia ir; eu recolhi muitas folhas e afins para o nosso trabalho em casa.

 

Saídos do pinhal, viemos pelo quintal abaixo e apanhámos maçãs vermelhas sumarentas crunchy bem como figos pretos e ganhei uma abóbora para servir de panela de ir ao forno (uma aventura culinária para mais tarde).

 

 

 

 

 

 

Em casa, ensinei as piolhas a decalcar as folhas com lápis de cera e foi muito bom ver a cara de espanto delas ao verificarem que conseguiam fazer uma cópia exacta de todos os pormenores das folhas. Escolheram as cores e, à medida que iam mudando de folha, eu dizia-lhes que eram de castanheiro ou medronheiro ou carvalho ou videira, etc.

 

No final, fizemos colagens e fitacolagens das folhas e dos frutos e afins (com cola quente - eu fiz. Elas, além de terem tido medo do aspeto da pistola de cola quente, perceberam que era perigoso mexer naquilo) e a respetiva identificação, numa cartolina. 

 

 

 

 

Quando o pai chegou a casa, fizemos uma revisão do nosso fim de tarde com o avô - no pinhal - e em casa - comigo -, o que serviu para recapitular e interiorizar melhor os nomes das plantas e que tipo de frutos dão, como se chamava o local onde estávamos e que, por acréscimo, que é importante cuidar da natureza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:18

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens