Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Tagarelice #14

por t2para4, em 15.03.13

A TV estava sintonizada na sic, apenas por estar. A certa altura, e como não podia deixar de ser, uma das piolhas fez uma saída à piolho da mamã Rainbow: "Aquele é o Passos Coelho que rouba o meu dinheiro". E disse isto com uma calma e uma tranquilidade, afirmando e não perguntando... Fiquei pasma. E, sim sr primeiro-ministro, ela tem razão. O sr rouba o meu dinheiro e o delas. Mas não vou dedicar-lhe mais espaço aqui porque ainda inventa alguma maneira de o cobrar só por o referir. Se o fizer, lembre-se de todas os pais com crianças com autismo (e outras deficiências) que pagam do bolso delas todas as terapias e apoios.

Adiante.

 

A certa altura, entra em cena o José Gomes Ferreira e a outra piolha pergunta-me como é que ele se chama. Disse-lhe que não sabia e ela insistia "sabes sim!". E continua a conversar com a irmã:

 

B. - quem é aquele?

E. - Não sei. 

B. - É o Miguel Sousa Tavares.

E. - Não é não. O Miguel Sousa Tavares é velho; este é magro.

B. - Ah pois. Este é o José.

 

Fiquei pasma. Foi a primeira vez que as ouvi conversar com tanta lógica, usar adjetivos diferentes do "bonito" ou "feio" e descrever alguém com tanta perceção. Fiquei mesmo muito feliz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:55

Vou abordar esta temática algumas vezes até ao dia 2 porque, este ano, estou envolvida numa série de projetos que partilharei e divulgarei aqui no blog a seu tempo. Faltam-me apenas algumas confirmações e farei/faremos algo fantástico que está a entusiasmar-me muito, apesar do trabalho que me tem dado e continuará a dar.


O dia 2 de Abril aproxima-se. Vamos pensar numa forma de levar a sensibilização mais longe: a cor azul ou peças de puzzle são as imagens de ordem.

Não custa nada, não dói nada.






Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47

Pesquisadores elaboraram uma teoria sobre possível causa do autismo e, com o uso de um medicamento que já existe, eliminaram comportamentos associados ao transtorno em camundongos

Camundongos

Autismo: Pesquisa científica propõe teoria sobre causa do autismo e, a partir dela, testa remédio para reverter os sintomas do transtorno (Getty Images)

Com o uso de um medicamento que já existe, cientistas conseguiram reverter comportamentos associados ao autismo em camundongos com a síndrome. Em um estudo desenvolvido na Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos, esses pesquisadores concluíram que o autismo decorre de um problema na comunicação entre as células, o que acaba interferindo de forma negativa no desenvolvimento e na função cerebral. E, de acordo com eles, uma determinada classe de drogas é capaz de restaurar essa comunicação celular e, assim, normalizar o comportamento de pacientes com autismo. A pesquisa foi publicada nesta quarta-feira no periódico PLoS One.

 

Opinião do especialista

Alysson Muotri
Biólogo molecular, professor assistente da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia, San Diego, nos Estados Unidos


“A grande novidade desse estudo é o fato de ele ter associado uma via metabólica, das mitocôndrias, ao sistema nervoso. A pesquisa observou que, com o medicamento, os comportamentos associados ao autismo foram revertidos. Porém, ela não mostrou de que forma isso aconteceu no organismo, então há alguns buracos no estudo. Mas isso não tira o mérito do trabalho por ter trazido informações novas sobre o transtorno.

A primeira vez em que um estudo que tentou reverter os sintomas de autismo foi feito foi em 2008, também em camundongos. Em 2010, uma pesquisa da mesma linha foi feita com células nervosas humanas. A comunidade científica está cada vez mais interessada nesse tipo de estudo pois as pesquisas mostram que existe um potencial de cura para o autismo.

Ainda não é possível saber se a droga estudada nessa pesquisa, de fato, se provará eficaz em humanos e se será benéfica a todos os pacientes com autismo. Mesmo assim, são resultados muito animadores.”


A teoria — Há alguns anos, o professor de medicina da Universidade da Califórnia Robert Naviaux sugeriu que as mitocôndrias, estruturas das células responsáveis por fornecer energia, desempenham um papel importante no desenvolvimento do autismo. De acordo com Naviaux, quando uma célula está doente ou danificada — seja porque está diante de um vírus, inflamação ou substância tóxica, por exemplo — a mitocôndria sinaliza a presença do ‘perigo’ para as células vizinhas. E, a partir desse sinal, as outras células acionam o sistema imunológico e passam a se defender.

Embora a defesa das células as proteja contra uma infecção, também pode prejudicar temporariamente a comunicação entre elas. Porém, quando a infecção é resolvida, esses sinais deixam de ser enviados e a comunicação entre as células é restabelecida. No entanto, segundo a teoria desenvolvida por Naviaux, durante o desenvolvimento inicial do cérebro de uma pessoa, um problema nas mitocôndrias — que pode ser ambiental ou genético — pode fazer com que esses sinais sejam enviados de forma crônica no cérebro e, portanto, que o organismo tenha sempre essa resposta. O resultado disso é a inflamação crônica do cérebro e o desgaste das conexões das células cerebrais.


A solução — A partir dessa teoria, Naviaux e seu time de pesquisadores realizaram testes em camundongos com autismo. Os cientistas avaliaram, por exemplo, a coordenação motora e a interação social dos animais, observando de que forma eles se comportavam quando passavam um tempo junto a outros camundongos.

Depois, parte dos animais com autismo recebeu, durante oito semanas, injeções de suramina, uma droga que bloqueia os sinais de inflamação enviados pelas mitocôndrias e que é utilizada para controlar determinadas inflamações. Segundo os resultados, o tratamento com essa substância eliminou os comportamentos associados ao autismo, mesmo quando foi aplicada muito tempo depois do surgimento dos primeiros sintomas do transtorno.

“A eficácia impressionante mostrada por esse estudo revela a possibilidade de desenvolvermos uma classe de drogas anti-inflamatórias completamente nova para tratar o autismo”, diz Naviaux. Os autores do estudo falam em passar para a fase clínica da pesquisa, que é feita com seres humanos, já em 2014. — uma pesquisa clínica dura, em média, de cinco a dez anos e é composta por três fases. 

 

 

in  http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/cientistas-revertem-sintomas-do-autismo-em-animais 

 

ver também "Seis fatores ambientais relacionados ao autismo"



----------------------


Mais uma partilha, que vale o que vale. Aguardemos. Já agora, em relação ao artigo do final, eu estive de cama com gripe às 7 semanas de gravidez... Nessa altura, o meu maior medo era abortar pois já tomava antibiótico e sei lá mais o quê. Nunca tomei ansiolíticos ou antidepressivos durante a gravidez... Mas, lá está, mais uma informação que vale o que vale.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:12

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens