Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Já tinha referido os meus receios de novos animais de estimação e a dificuldade que tem sido descobrir a origem das recentes crises asmáticas do marido. Mas a verdade é que ainda bem que arriscámos.

Eu e as piolhas somos, definitivamente, cat people. Não é que não gostemos de cães ou de peixes (aliás, ainda temos os nossos, com 3 anos de idade - gigantescos!) mas gatos é outra onda. E uma boa onda.

Desde que os gatinhos vieram para casa que noto umas miúdas mais responsáveis em relação a eles, pois não são brinquedos, são animais que sentem felicidade e carinho e dor e medo, tal como elas.

De facto, não convém esquecer que os gatinhos vieram a seu pedido. E assim, o t2, pouco a pouco, lá se foi acomodando para receber mais um par de gémeos, a minha nova sombra quando as piolhas não estão em casa.

 

A relação entre estes dois pares de gémeos é quase mágica e única. Quando as piolhas vão para a escola, eles espreitam da porta da cozinha (onde têm a sua caminha, arranhador, comida e wc) como quem diz "até logo!" e quando elas chegam a casa, eles são os primeiros a dar-lhes as boas vindas! Não o fazem comigo nem com o marido, só com elas; vão ao quarto despedir-se como quem deseja boa noite e de manhã, tomam o pequeno almoço juntos: ração para os gémeos mais novos e leitinho achocolatado para as gémeas, na cozinha - algo que as piolhas não faziam. Ainda agora as piolhas foram dormir e o Quico e o Silvestre foram ao quarto. Mal se apaga a luz, eles saem, sozinhos.

Educar os gatinhos não tem sido complicado: todo o processo de ensinar a usar a areia (que mudámos agora para sílica) foi feito em frente a eles e incitando-os a usar o espaço, saber como agir com aquela porta vaivém. O mesmo com as tacinhas da ração e a água.

O espaço principal dos gatinhos fica na cozinha, apesar de terem acesso a todo o t2. E há regras a cumprir por todos: não há gatos em cima dos sofás, a menos que estejam ao nosso colo; não há gatos em cima das camas e muito menos dentro das camas, de modo algum; não há donativos de comida nossa por muito que pedinchem (e o Silvestre pedincha que se farta... mas passa); e, para já, não podem ter acesso à varanda por causa do motor do ar condicionado e da rede que está rasgada num cantinho.

E, tal como as crianças, são castigados quando se portam mal (querem roer um cabo, sobem estantes, sobem para o sofá ou tentam atacar as cortinas, por exemplo): uns esguichos no focinho/cabeça e resulta. O mais engraçado é que eles amuam como as crianças e vão para a caminha, como quem disse "vai para o teu quarto de castigo!". Uma delícia.

 

E o que fazem estes quatro nos fins de semana? Brincam juntos, os gatinhos sentam-se e dormem ao colo das piolhas enquanto elas fazem os TPC, elas leem para eles, uma festa pegada. E, como são bebés, ainda dormem muito e as piolhas têm tempo de sobra para brincar com poneis.

 

 

 

 

 

Já fomos ao veterinário juntas: foi fantástico ver uma piolha a levar a caixa de transporte, com todos os cuidados, apesar de ter uma constipação em cima e mal conseguir abrir os olhos... E chegadas à clínica, esperaram a sua vez, explicaram tudo à veterinária, falaram das rotinas dos gatinhos, etc. Foi indescritível. Eu apenas tive que ir corrigindo informações e traduzir algumas palavras.

Não se compara o que elas são agora com os gatinhos com o que foi com um cão. Ainda hoje ouvi uns desdéns por causa disso: ainda há pessoas que acreditam categoricamente que um cão é que é o ideal para uma criança com autismo. Eu cá acho que deve ser o animal que essa criança escolher. E também acho, aqui para nós, que os gatos também são um bocadinho autistas ;)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:28

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens