Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A memória pode mudar o mundo

por t2para4, em 27.01.15

E evitar que a história se repita.

 

Há 70 anos atrás, o mundo descobria, de forma nua e cua, os horrores escondidos de uma guerra longa demais, terrível demais, mortal demais. Ainda hoje, depois de tantas horas de estudo sobre o assunto, de tantos documentários visualizados e artigos lidos, me choca e me espanta e me indigna a capacidade destrutiva que o ser humano tem contra os seus semelhantes. Nunca pensei que fosse possível descer mais baixo do que o baixo e ser-se tão pouco humano, tão pouco.

 

Mas a memória que deveria proteger o futuro e evitar que outros holocaustos se repetissem parece falhar, de vez em quando, e vamos vendo massacres, genocídios e fins sem sentido... E há sempre um personagem que tenta armar-se em Hitler e tentar subjugar o mundo e renega existências históricas, ofendendo, assim, a vida humana, os sobreviventes do horror.

Por muito que tente, há coisas que jamais entenderei... E, honestamente, quando chegar a altura não sei o que explicar às minhas filhas... Será correto retirá-las de um mundo seguro - embora isolado e socialmente limitado - para o nosso mundo? É isto que se supõe ser-se "um ser social"?

 

A História não é ficção. Estudá-la é um excelente remédio contra perdas de memória.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47

10 anos e a somar - ou parabéns a nós

por t2para4, em 27.01.15

Janeiro é um mês de comemorações, mesmo quando surgem depois das Festas. Foi o mês escolhido, por nós, há dez anos para casarmos. E o 1º registo de casamento na nossa localidade em 2005.
Apesar de acharmos que 10 anos mereciam algo inesquecível, as circunstâncias atuais não nos permitem extravagâncias nem ausências (trabalho e escola), pelo que, ficámos apenas - para já - com uma comemoração familiar e caseira, muito home made by us.

 

10 anos é imenso tempo. Vivemos coisas incríveis a dois e depois a quatro. Passeámos e viajámos imenso. Planeámos imenso. Trabalhámos imenso. Comprámos e vendemos coisas. E continuámos a planear e a trabalhar. Fomos pais. Fomos pais de gémeas. Enfrentámos adversidades que não desejamos a ninguém. Sempre juntos.
Confesso que, às vezes, duvidava que conseguimos aguentar tanta coisa, apenas e somente os dois. Mas acho que o segredo é ser mesmo esse. Confiar e seguir. Conversar e ser honesto. Amar e ser amado. Sem pedir nada em troca.

 

Orgulhamo-nos de ser do contra: contrariámos estudos que diziam que x% dos casais se divorcia quando são pais de gémeos; contrariámos mais estudos que diziam que x% dos casais não passa dos 7 anos de casamento; contrariámos estudos que diziam que x% dos casais não aguenta o casamento quando os filhos são diagnosticados com qualquer coisa; contrariámos estudos que diziam que o autismo é a maior causa de divórcio entre x% de casais; contrariámos estudos que diziam que x% dos casais não aguenta a vida familiar com a vida doméstica com a vida pessoal com a vida profissional.
Nem sempre foi fácil gerir tensões e pequenos conflitos que surgiram mas esforçamo-nos para que coexistemos num ambiente saudável e harmonioso, para que as nossas filhas cresçam rodeadas de amor e compreensão mesmo quando há situações tão complicadas para resolver. Queremos, acima de tudo, que as nossas filhas percebam que a norma é darmo-nos bem e amarmo-nos.


Com a celebração adiada para o verão (talvez... é no que dá casar duas vezes com a mesma pessoa), contei com a ajuda das piolhas para termos um ambiente festivo em casa. O menu não foi nada de especial mas optámos por um prato de que gostássemos muito.
Então:
- canja (a pedido das piolhas que adoram canja)
- arroz de cabidela
- bolo de aniversário

 

E, já que era para ser especial, toca de experimentar a pasta americana. Afinal é mais fácil de trabalhar do que pensei. Vi uns quantos vídeos no youtube sobre como amassar, alisar e moldar e arrisquei. Comprei pasta branca e colorida. Fiz um bolo de iogurte banalíssimo (com aproveitamento de umas bananas já demasiado maduras), cobri com leite condensado, recheei de leite condensado, depois de frio, e cobri com a pasta branca, enrolada no próprio rolo da massa. Alisei tudo direitinho, de modo a ficar sem grumos/emendas/falhas/dobras e cortei o excedente com um cortador de pizza. Amassei e guardei essa pasta, embrulhada em película aderente, na despensa até voltar a precisar.
Com cortadores em forma de coração, de vários tamanhos, cortei a decoração, passei os corações pequeninos por açucar refinado e apliquei, levemente humedecida com água. Levei ao frigorífico et voilà. Mais simples do que pensei.

E as piolhas encaram tudo como um aniversário com direito a "parabéns" e velas sopradas.

 

as1.jpg

 

asd.jpg

 

asz.jpg

 

Outros planos estão pensados para este ano, se tudo correr de feição. Nessa altura, fazemos de conta que (re)comemoramos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens