Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Será a socialização sobrevalorizada?

por t2para4, em 26.09.20

A socialização é importante e é considerada característica inata do ser humano. Foi graças à capacidade social do ser humano que pudemos evoluir ao longo da nossa existência. A socialização, ao longo da nossa evolução histórica, era premissa ligada à sobrevivência da espécie. Mas, também acredito que, ao longo da evolução humana, tenhamos tido vários casos de indivíduos pouco dados a questões e rituais sociais, com pouquíssima ou nenhuma vontade de interação social e que, possivelmente, só o fariam porque dela dependia a sua sobrevivência, ou, em casos extremos, nem a isso chegava.

Já todos percebemos que o ser humano é um ser social, ok. E também já todos percebemos que podemos ter perturbações a nível social, e que o autismo, por exemplo, na sua tríade de comprometimento, engoba a componente social. Quando há uma orientação clínica que marca esta área como possível problema é comum verificarmos o aconselhamento da frequência de jardim de infância ou escola, da participação em atividades extracurriculares, da aposta em saídas mais frequentes onde seja possível a interação com outras pessoas, etc. O que se nota, logo que sai um diagnóstico de autismo, por exemplo, é uma pressão quase desenfreada na questão social.
A criança com autismo, o individuo com autismo, tem de refrear os seus impulsos (não abanes assim as mãos, não tapes as orelhas, não pules assim, não faças iiiiiiiiiiiiiiiiiiii, não guinches, não, não , não.) – impulsos estes que, muitas vezes são movimentos e gestos reguladores de ansiedade, comportamento, sensorialidade, etc. porque não são socialmente adequados.
A criança com autismo, o individuo com autismo, tem de identificar, aprender e aplicar uma série de rituais sociais que, muitas vezes (tantas vezes!) não fazem sentido e não são algo de essencial (cumprimentos físicos e próximos que envolvam o toque ou a ritualização da conversa fiada para preencher um vazio incomodativo.)
A criança com autismo, o individuo com autismo, tem de aprender a ter a iniciativa e ser um bicho social mesmo sem vontade nenhuma de cumprimentar aquela pessoa ou de usar um sorriso politicamente correto quando não se sente com disposição para isso.
E isto são meros, simples e poucos exemplos de entre todo um mundo social que é pedido a quem tem autismo que conheça e faça parte dele. Caramba, até a quem não tem autismo mas não é simplesmente uma pessoa a quem estas coisas digam algo…

E, um dia, veio o covid e um novo corona vírus. E a todos, sem exceção – incluído indivíduos com cegueira que dependem do toque -, é exigido que se abstenham de tocar no que quer que seja e se desinfetem como se fossem germofóbicos; é proibido o contacto social próximo com terceiros; há uma série de regras e normas e leis até que impedem a proximidade, que promovem o distanciamento, que – imagine-se – até impedem as expressões faciais como forma de aprendizagem de emoções visíveis. Afinal, a socialização pode estar a ser sobrevalorizada! A criança com autismo, o individuo com autismo, continua a ser aconselhado a ir à escola, ao trabalho, a cumprir as habituais rotinas MAS tudo o que se apregoava anteriormente acaba por não poder ser aplicado nos dias que correm. Bem sei que é uma situação temporária. Mas quão temporária? Um ano? Dois? Cinco? Nesse intervalo de tempo, já contradizemos a nossa cultura do toque, do beijinho matinal dado a toda a gente, do aperto de mão desenfreado a conhecidos e desconhecidos, do agora és mesmo obrigado a olhar para os meus olhos porque a minha cara está tapada (o que pode ser altamente desconfortável).

Não temos todos de ser uns party animals mas, honestamente, talvez tenhamos ao longo dos tempos, por motivos culturais ou humanos, caído em exageros. Não há qualquer sentimento de frieza ou má-educação se não cumprimentarmos toda a gente com dois beijos e apertos de mão; nem vem mal ao mundo se não conseguirmos fazer contacto ocular e não reconhecermos adequadamente expressões faciais (até porque, sejamos sinceros, quantas vezes disfarçámos uma tristeza profunda com cansaço, por exemplo?). Não reconheço qualquer maldade em quem não tem paciência nenhuma para lidar com outras pessoas e prefere estar no seu cantinho.

Sejamos francos: lidar com pessoas é muito difícil e não estou a referir-me a feitios. É preciso ter a noção básica de que todos somos diferentes e, como tal, agimos e falamos e pensamos de forma diferente e isso tem de ser tudo interpretado. Há linguagem não verbal que pode estar a dar sinais diferentes do que diz a boca. Há especificidades da linguagem e da fala e da comunicação que, por vezes, não percebemos. Temos de ser educados e corteses. E de cumprir uma data de requisitos sociais: distância adequada e confortável entre pessoas, tom e modo de voz adequado à situação, etc etc etc. para alguns de nós é algo tão natural como respirar, para outros nem tanto. E isto é difícil… Se pensarmos nos passos que seguimos é algo enorme! É muito trabalho!

E isto tudo para dizer que, neste momento, toda a importância quase desmesurada dada à socialização, parece cair por terra. O que me leva a pensar que, afinal, talvez não estejamos assim tão errados nem seja um problema tão grande quanto isso se não tivermos o “gene social” 100% ativo e sejamos 100% politicamente corretos.
E questiono: se a socialização é assim tão importante e deve começar-se desde o nascimento, por que, apesar de todas as regras de higiene e saúde, se grita aos miúdos na escola “não andem tão juntos!”, se fecham parques infantis, se proíbem ajuntamentos com mais de x pessoas, se obriga ao uso de máscara em alguns locais em idades tão baixas, se se adiam indefinidamente desportos de equipa, só para citar alguns exemplos? Não estamos todos juntos na escola? Não estamos todos s seguir as indicações dadas pela DGS? Do que tenho visto, nestas semanas, é que, daqui por anos, teremos um aumento exponencial de germofóbicos e de pessoas com perturbações obsessivo-compulsivas e hipocondríacos.

 

NÃO estou a negar o que existe – ainda estamos a viver uma pandemia; NÃO estou a desvalorizar as regras de saúde ou etiquetas recomendadas; NÃO estou promover o incumprimento de normas; NÃO se interpretem coisas que eu não escrevi nem disse – o meu foco aqui é a (des)importância da socialização.

 

social-4-6-18.jpg

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 11:45

E se fosse outra a reação?

por t2para4, em 10.09.20

Estamos no século XXI. 20 anos depois de este ter começado.
Elon Musk fala em implantes cerebrais, já temos carros que se conduzem sozinhos, os hackers são do mais exímio que há, temos robots que nos remetem para o filme "Eu, Robot", há imensos procedimentos clínicos que deixaram de ser invasivos, é até possível fazer-se teletrabalho na maioria das profissões, veja-se lá só. Vivemos num mundo de mudança constante, basta olhar para os computadores e telemóveis e programação de há apenas 10 anos (ou até menos!).
O que ainda não mudou o suficiente? A forma como os indivíduos com deficiência(s) - visíveis ou invisíveis - são tratados. Ainda temos os reparos, que podem ser à parte ou diretos; ainda temos os olhares de pena; ainda temos os diminutivos na ponta da língua; ainda temos os insultos na forma, verbal, visual ou física. Meros exemplos.
Tudo porque a diferença (ainda) incomoda.
Mas o que também incomoda é uma queixa por difamação e maus tratos verbais. Este tipo de queixa não serve apenas para vizinhos zangados ou herdeiros empolados em discussões - serve para todos. Acredito que se todos os que passámos por situações semelhantes tivéssemos menos receio de chatices e conseguíssemos a coragem necessária para seguir em frente, muitas das pessoas que dizem as maiores barbaridades ou que gritam ou que insultam ou que agridem uma pessoa com deficiência, não ousariam sequer colocar em voz alta o que vai naquelas cabeças ocas.
Os relatos de pessoas que passam por estas situações existem. No momento, tantas vezes, nem sequer se tem reação e quando se envolvem os nossos filhos, queremos é sair e protegê-los. Mas há tempo para ponderar uma ação, depois. E a verdade é que, cada vez mais faz sentido, cada vez mais é necessário, cada vez mais é preciso uma voz que se faça ouvir e não se deixe denegrir, rebaixar, insultar. Não é para isto que serve o direito à opinião. Isto é difamação. E a definição de difamação é "quem, dirigindo-se a terceiro, imputar a outra pessoa, mesmo sob a forma de suspeita, um facto, ou formular sobre ela um juízo, ofensivos da sua honra ou consideração, ou reproduzir uma tal imputação ou juízo", considerado crime e punível por lei.
Porque a minha liberdade termina quando começa a do outro. E essas liberdades têm o direito de ser respeitadas.
Se é extremo? Talvez seja. Mas ser-se insultado, ser-se discriminado, levar com os histerismos e ignorância dos outros só porque se é diferente - e aqui cabe tudo, desde a deficiência à identidade de género à etnia ao grupo social etc - também deveria ser extremo. E não existir.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 15:08

Setembro é agridoce

por t2para4, em 09.09.20

Quem é professor acaba por experienciar duas passagens de ano - uma delas sem a magia do réveillon e sem as borbulhinhas gasosas do champanhe.
Setembro é sempre um mês de muita incerteza e ansiedade, de muitas variantes que têm que obrigatoriamente encaixar umas nas outras e dar certo, de muitas esperanças (algumas vãs), de muitos (re)começos.
Setembro é aquele mês onde começo a dizer "no ano passado" quando quero realmente dizer "no ano LETIVO passado" (e acabo por baralhar toda a gente) porque a minha vida funciona em anos civis e anos letivos.
Setembro é aquele mês em que começamos todos a escola - com sorte, já sabemos quais (se as colocações saírem em agosto e eu ficar logo colocada) e temos de começar logo a comparar horários para compatibilizar acumulações noutros locais e trabalhos familiares.
Setembro é aquele mês em que renovamos horários, inscrições, e temos, mais uma vez, de atualizar os dados nas editoras para que possamos ter acesso aos documentos de apoio.
Setembro é aquele mês em que tudo parece andar a passo de caracol mas parece uma avalanche ao mesmo tempo: primeiro esperamos orientações do MEC, depois as da escola, depois o horário, depois as reuniões, depois o perceber como serão os apoios na escola e as terapias, depois a organização do material escolar, depois as aulas, depois as compensações, depois as revisões, depois as horas de leitura de "n" documentos, etc etc etc... com um somatório de gigas de espaço já ocupado na nova partição de seu nome "ano letivo 2020-2021" que conta já com dezenas de pastas e subpastas.
Setembro é aquele mês em que começamos a contabilizar as refeições em casa ou na escola, a pensar em marmitas, a preparar lanches.
Setembro é aquele mês em que eu só quero que tudo se oriente para podermos começar com a devida tranquilidade e sem problemas.
Setembro não é o novo janeiro, não é o mês de resoluções porque a sua imprevisibilidade nem dá para isso, não é o mês do wake me up when (it) ends, não é o mês do acorda quando quer porque já acabaram as férias, não é uma festa com serpentinas e confeti.
Setembro é um mês pequeno que encerra em si a sensação de um mês com dias extra. Flui devagar, tem demasiado para fazer, obriga a pensar e a sentir demais.
Setembro é um mês de muito. E, tal como em qualquer outro mês, desejamos que seja um mês bom.

 

2020-09-09_143709.png

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

Tags:

publicado às 16:34

Incluir (toda) a diferença

por t2para4, em 05.09.20

Das muitas publicações que vamos fazendo, já devem ter percebido que eu, a autora A Família Neurodiversa e a autora do O Mundo do Gonçalinho vamos falando e discutindo temas variados. Há pouco tempo, surgiu em conversa a questão da discriminação e aceitação do que é “diferente” - seja ao nível de deficiência, género, cor da pele ou outros. Hoje, vamos as três lançar textos ao longo do dia (um por cada página).

Quando falamos em escola inclusiva e, por acréscimo sociedade inclusiva, a nossa tendência imediata é pensar em deficiência. E ainda bem pois significa que já estamos a chegar a algum lado na consciencialização para a diferença. No entanto, sob a capa da diferença cabem muitas outras coisas, desde etnia, religião, cultura, género, etc. E é de género que falo hoje. Mais especificamente de transgénero.
Vi recentemente um filme que me marcou. Abordava a questão do transgénero há anos atrás, numa altura em que ninguém falava do assunto e em que a marginalização era superior. Era um adolescente que sempre se sentiu diferente no corpo que lhe calhou biologicamente. E, por isso, por se recusar também a fingir ser alguém que não se sentia ser, assumia-se naturalmente. E isso trouxe imensos dissabores pois implicou mudança de escola devido a escalada dos episódios de bullying, mudança de morada por ameaças à sua integridade física, sentimentos muito difíceis de gerir devido ao não querer decionar a mãe mas querer ser o que sentia ser, entre outros.

Nos meus tempos de estudante, tive alguns colegas assim. Eram chamados de muitas coisas, sendo “exuberante” o mais simpático. As histórias que tentavam justificar os seus comportamentos eram do mais rocambolesco que se imagine. A escola não foi totalmente inclusiva para estes alunos. Quantas vezes foram vítimas de humilhação, de agressões... E eles, tal como os que seguem as regras sociais – seja lá o que isso for -, também têm direito ao seu lugar na sociedade. E liberdade de poderem escolher serem quem querem, serem quem se sentem ser. Por que isso incomoda tanto? Por que temos nós – ou outros – de achar que tal ou tal comportamento, tal ou tal convenção estão certas ou erradas? De novo, por que incomoda tanto que um rapaz queira ser uma rapariga ou vice-versa ou não se identifique com nenhum género?

Costumo dizer que a escola é uma sociedade em miniatura com as suas regras e grupos. Então, é aí que o respeito pela diferença, seja ela qual for, deve começar. As escolhas pessoais, os sentimentos profundos de uma pessoa só a ela lhe dizem respeito. Não temos que opinar sobre isso, em especial se não sabemos do que se trata.

Ostracizar, segregar, discriminar a diferença, seja ela qual for, não é ser-se inclusivo. E se a inclusão é palavra de ordem nos tempos que correm, todos devemos fazer a nossa parte.

 

Nenhuma descrição de foto disponível.
 
 
 
 
-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 09:01

Entrevista na LuxWoman

por t2para4, em 30.07.20

Como diz uma vizinha de quem gosto muito, falar destas coisas abertamente também é ativismo.
Cláudia Carvalho e nós, no papel de pais, Alda Coelho, pedopsiquiatra, Albertina Marçal, mãe e fundadora do Centro ABC Real, respondemos à jornalista Leonor Rodrigues Poças e Leonor Antolin Teixeira, da Revista LuxWoman e o resultado foi uma reportagem algo emotiva, real, direta, que saiu na revista de agosto.
Para quem possa ter dúvidas ou queira ler várias realidades sob um único nome - que um dia ainda poderá transformar-se num plural, num -ismos -, creio que a matéria é de leitura acessível e informada sobre autismo, escola, diversidade, inclusão e diferença.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 08:59

13 anos já cá c(o)antam!

por t2para4, em 27.07.20

Não vou demorar muito no relato, prometo, mas hoje, volvidos 13 anos, sinto que os clichés e frases feitas "o tempo passa a voar", " eles crescem tão depressa" são verdade.

Depois de muitos internamentos e tratamentos, na 6ª feira, dia 27 de julho de 2007, por volta das 11h, a médica manda-me para o bloco de partos para cesariana - a tal que estava programada para daí a 2 semanas e já antes do tempo devido - depois de perceber que já estavam masi que prontas para nascer e saber se havia vagas nas incubadoras (foi uma confusão tal que até meteu INEM), o que acabou por não ser preciso. Já estava a dieta 0 desde a véspera.


No bloco, a equipa de enfermeiros apresentou-se e tentou acalmar-me (estava um bocadinho nervosa e ansiosa por conhecer os meus bebés, ver as carinhas delas...) e começaram os preparativos. Havia música mas juro qu enão me lembro quem tocava... Os monitores e outros aparelhos não trabalhavam em Windows e eu até brinquei a dizer que, pelo menos, dali não viriam crashes. Entretanto, chegam os anestesistas que me perguntam se queria fazer a cesariana (estavam ambas em pélvica) com anestesia geral ou com epidural mas eu não fazia ideia! Expliquei-lhes que só tinha 2 exigências: não sentir dor alguma e que a gémea da minha esquerda era E. e a da minha direita a B. (escreveram os nomes nas pulseiritas que nos colocaram mal nasceram. E eu reforcei estas exigências umas quantas vezes!!! Eu já sabia bem quem era quem e nem as muitas mudanças de posições me enganaram, embora, deva confessar que, depois de nascerem, em casa, com privação do sono e cólicas, desconfiamos que possa eventualmente ter havido uma troca. Mas, assim como assim, o ADN é igual por isso, olhem paciência). Bem, o anestesista explicou-me que, em termos de recuperação, com epidural era muito mais rápida e que não havia interferência alguma com os bebés enquanto que a anestesia geral já comporta mais riscos a nível de reacções alérgicas, complicações cardíacas e recuperação mais lenta. Perguntei o que seria melhor para os bebés e ele respondeu-me que seria a epidural e eu decidi que o que era bom para elas, seria bom para mim.


O parto em si não custou nada (o pós-parto é que é todo um rosário diferente) e a sensação que eu tinha era que estava no dentista: sentia remexer e repuxar como se me estivessem a arrancar um dente mas na barriga. Tudo tranquilo! A certa altura, ouvi o aspirar de águas e a médica a perguntar-me o nome da 1ª gémea, a da minha esquerda, que nasceu às 12h46, com 2,430 kg, muito despachada. Não há palavras que descrevam o que senti nesse minuto... Eu queria tanto tanto tanto vê-la e pegá-la mas a enfermeira disse-me que a primeira pessoa a ver os bebés era sempre o pediatra (ainda não decidi se concordo muito com esta prioridade pois só pude pegar nas minhas bebés horas depois. Também não sei se concordo com cada bebé no seu berço mas, pronto, já lá vai e não se repete). Dois minutos depois nasce a 2º gémea com o mesmo peso da mana, 2,430 kg... e volta a sensação indescritível. Mostraram-me as meninas mais bonitas do mundo e, mais uma vez, nada descreve o que se senti no momento... É algo tão arrebatador, tão pleno, tão inundante de amor, que parece que vai rebentar o meu coração. Porra, agora era a sério! Íamos ser pais!!!!! No entanto, confesso mais uma vez que os nosso olhos (e cabeça) reparam em pormenores estranhos e eu questionei o porquê de ainda haver algum lanugo nas orelhitas a que me explicaram que estava associado à prematuridade, afinal, nasceram às 35s+5d. O pai viu-as pouquinho depois e deu logo colinho a uma de enquanto a avó C. deu colinho à outra. No intervalo, ainda tive uma dor de cabeça doida que passou em menos de um ápice com uma medicação milagrosa e o monitor decidiu apitar feito parvo só porque sim.

Descobrimos ambos medos que julgávamos não serem possíveis existir, descobrimos que é possível dois seres minúsculos nos ensinarem mais que um mestre, que o amor pode muito bem ser verdadeiro/repleto/sincero/indescritível, descobrimos forças que nem sabíamos possuir e descobrimos que sou definitivamente uma mãe ursa mas sem a parte boa do hibernar, parir na caverna sem dor e ficar 3 meses ao quente e só sair quando as crias já têm alguma autonomia.

Estas miúdas trazem luz, brilho e felicidade às nossas vidas todos os dias. Objetivo: serem felizes. Sempre.
Parabéns, já cá c(o)antam 13 anos.

 

Imagem 297.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

 

publicado às 08:45

Ainda temos muito que crescer...

por t2para4, em 21.07.20

Por que (ainda) é tão difícil mudar mentalidades, chegar a todos, aceitar a diferença e a diversidade (a vários níveis, seja diversidade física, neurológica, de género, sexual, etc.)? Por que ainda se fala em surdina daquela rapariga que coxeia porque tem paralisia cerebral ou daquele rapaz com uma tatuagem grande? Por que se critica o tamanho daquela saia ou as calças rasgadas no joelho? Por que se ponta o dedo com esgar de coitadinhice ao indivíduo com deficiência? Por que se critica uma mulher por ganhar muito dinheiro e ter uma carreira mas um homem não? Por que se empurram todas as obrigações parentais para a mãe e se desculpabiliza o pai? Por que é tão difícil falar (aceitar, até!) da diversidade?


Porque todo um passado fechado, pequeno, tacanho e atípico ainda nos persegue e porque, infelizmente, ainda temos pessoas que defendem determinados pontos de vista que abominam toda uma alteração social e, ali ao lado, a inclusão como ela deveria ser. É generalista, sim, mas é verdade.
Uma das coisas que gosto de fazer quando leio algum artigo é ler os comentários. Aprende-se muito com os comentários, acreditem. Faço parte de alguns grupos que mostram o que foi Portugal no passado e a aprendizagem que dali retiramos não tem valor. É História no seu verdadeiro sentido pois inclui também a história pessoal de quem publica. Mas, alguns comentários - a grande maioria dos comentários - é de levar as mãos à cabeça.


Uma grande percentagem aborda o tradicional cliché "éramos tão felizes com pouco" ou "éramos tão felizes e não sabíamos", geralmente associado a fotografias a preto e branco de pessoas do povo, descalças a ir buscar água à fonte ou de crianças descalças e esfarrapadas na escola. Em nenhuma daquelas fotos se vê um sorriso. Ou um pé calçado. Viver em sub-condições, sem wc próprio, sem água canalizada, sem eletricidade, sem comida, sem planeamento familiar, com violência educacional e doméstica devia ser uma felicidade do caraças. E, muitos - demasiados!!! - são defensores que sopas de cavalo cansado nunca fizeram mal a ninguém. Realmente, nada como uma vinhaça materlada com pão de uma semana para dar um boost de energia num cérebro infantil em desenvolvimento, logo pela manhã... Não admira que as taxas de mortalidade e de desenvolvimento infantil fossem assustadoras e a nossa população fosse mais baixa, mais magra e menos desenvolvida que as demais.


Alguns comentadores - mais jovens que eu e eu já faço 40 daqui a uns meses - conseguem até encontrar justificação para episódios de violência doméstica e de crítica para a emancipação feminina. Não resisto a partilhar aqui, ipsis verbis, a resposta dada por uma mulher, mais jovem que eu, sobre este assunto: "Não me parece que o mundo esteja melhor pelo facto das mulheres terem abandonado o cuidado do lar filhos e marido para se dedicar em a outras coisas..." porque, como toda a gente sabe, o papel da mulher - esse ser inferior e sugestionável, inútil até, à sociedade e que em nada contribui para a evolução humana - é no "lar", a cuidar do marido e dos filhos. Sim, não há opção: é para ter marido e filhos, independentemente da sua vontade. Há que ser submissa e obediente à figura masculina.


Outros comentários há que abordam, então, a forma como as mulheres se vestem hoje: sem brio, sem qualidade, sem simplicidade, sem beleza. Porque antigamente é que era bom. Ah, e éramos todos felizes, mesmo descalços e esfarrapados, de luto carregado mesmo na flor da idade.
Agora, façamos aqui um exercício de extrapolação: estamos em 2020, 20 anos depois de termos iniciado o século XXI, em plena era tecnológica, com exploração dos oceanos profundos e do universo para lá das suas costuras alcançáveis, temos coisas reais como a nanotecnologia e a medicina mais avançada com que alguma vez pudemos sonhar há uns anos (e não me venham com merdinhas, porque já ninguém morre de sida como se morria nos anos 80 e 90 e até temos doenças erradicadas) MAS não conseguimos ter uma mentalidade mais aberta, mais natural, mais flexível e criticamos a deficiência (o ideal era esconder todos num buraco negro), o vestuário libertino (o ideal era usar um hábito com capuz), a orientação sexual (o ideal era sermos todos uns sei lá o quê, nem tenho com que criticar isto) e mais uma meia dúzia de outras coisas que não deveria incomodar ninguém numa sociedade que se diz moderna e atualizada e inclusiva. Sabem o que isto quer dizer? Quer dizer que enquanto houver quem critique de forma saudosista um presente em prol de um passado ditatorial e deficitário em saúde, educação, valores, princípios, diversidade, pedagogia, etc. e houver quem defenda determinados crimes - violência doméstica é crime, discriminação é crime, segregação é crime - e se falar disto de forma leviana em forma de comentário a uma fotografia de miúdos descalços alinhados à frente da senhora professora porque "eram os mais atrasados na leitura e era assim que se ensinavam os mais burros" e se defenda que é com porrada, com insultos, com violência, com preconceito que se ensina, se defende, se apoia, se inclui, não evoluiremos enquanto sociedade. É triste mas é a realidade.


Quero muito acreditar que a amostra do que leio não é relevante em termos populacionais e desejo muitíssimo acreditar que a minha geração - e até a anterior - mais a geração seguinte serão capazes de transmitir às gerações seguintes que a diferença não é algo anormal, a diferença não é algo a recear, a diferença pode ser riqueza, a diferença é diversidade.
Não há problema nenhum em ter mulheres fortes e com carreiras incríveis, não há problema nenhum em não querer ter filhos ou em querer ter uma dúzia deles, não há problema nenhum na diversidade sexual, de género, neurológica.
Não somos todos iguais e não somos, de todo, todos um.
E a verdadeira riqueza social (talvez até humana?) está aí.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 14:14

Há quase 13 anos, depois de semanas a dormir sentada e rodeada de almofadas, farta de estar grávida e de mal conseguir mexer-me em condições, com dores excruciantes nos rins, ganhei uma viagem alucinante até à maternidade. Ninguém nasceu nesse dia, nem no seguinte, nem no a seguir. Ainda foi preciso esperar uma semana para o grande acontecimento do ano.


As partes mais loucas de que lembro dessa noite é de exigir vestir uma túnica branca - que basicamente era das pouquíssimas coisas que ainda me servia sem eu ficar a parecer um barril - e das luzes de aviso dos travões do carro que entraram em sobreaquecimento (memo to myself: há anos que o marido deseja secretamente um curso de condução evasiva e defensiva, mas sinceramente, só se for por causa do papel pois ele mete muito condutor profissional a um canto. Um dia ofereço-lhe essa prenda).
O diagnóstico foi simples de fazer: as duas bebés sentadas estavam a fazer demasiada pressão nos meus rins, o que complicou ali a coisa e fez voltar as contrações que estavam mais ou menos controladas desde as 32 semanas. Estávamos nas 34 semanas e uns dias.


Não fiquei no mesmo quarto onde ficara nos internamentos anteriores.
Lembro de estarmos na pausa de temporadas do Lost mas de conseguir ver o novíssimo filme dos "Piratas das Caraíbas: nos confins do mundo" e de ficar impressionadíssima com o grafismo visual do que seria o fim do mar representativo do fim do mundo, qual pintura medieval. Refugiava-me nos vídeos que levava no computador e no fórum em que participava e devorei todos os livros de Isabel Allende que uma grande amiga me emprestara. E fazer palavras cruzadas aos molhos. A minha colega de quarto era cheia de teorias da conspiração que me exasperavam. Ela assustava-me, porra.
Lembro-me ainda de tomar bastantes relaxantes musculares (que acabaram por me causar uma pequena reação alérgica), de fazer milhentos toques durante o dia (e amaldiçoar essa técnica de despiste de dilatação), de fitas apertadas em volta da barriga e dos habituais "carregue aqui sempre que sentir o bebé" e de estar constantemente a carregar pois havia sempre uma com soluços, o que significava voltar a repetir aquilo tudo mas sem marcar os soluços.
E, lembro-me de querer ver as pequeninas trigémeas minhas companheiras de barriga que haviam nascido um mês antes mas não poder sair da cama...
Lembro-me distintamente de outras questões relacionadas com trabalhos que só chateavam. E de ter as malas da maternidade prontas a usar.


O resto é tudo confuso e enevoado. E nem acredito que já se passou todo este tempo. Estávamos tão perto - tão perto - de embarcar na maior e mais louca aventura das nossas vidas. E sem nenhum livro de instruções ou páginas web úteis.
Memórias que surgem    

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 22:00

Esta coisa do sentir no feminino...

por t2para4, em 13.07.20

https://t2para4.blogs.sapo.pt/meninas-no-espectro-do-autismo-338972

Este artigo acerca de sinais de autismo no feminino já foi publicado e partilhado por mim várias vezes e, várias vezes, penso nas muitas secções em que está organizado. Todas focam comportamentos e ações que mexem num ou noutro nervo/sentimento/neurónio aqui ou ali mas há algumas frases que são flagrantes e que não nos passavam sequer pela cabeça que pudessem acontecer. Uma delas, é esta “Muitas vezes mimada por outros na escola primária, mas intimidada no ensino secundário.” que se insere na categoria do social.

As piolhas sempre foram as coqueluches da turma por onde quer que tenham passado. Talvez por serem gémeas, talvez por serem as mais novinhas, talvez por serem tão engraçadas. Caraças, talvez por serem tão bonitas. A verdade é que, desde a creche que foram sempre protegidas pelas meninas e pelos meninos – sim, também havia rapazes que as protegiam e brincavam com elas. As piolhas eram crianças populares num sentido bom: eram amadas por todos, respeitadas por todos, acarinhadas por todos, protegidas por todos. Havia crianças que dedicavam o seu tempo a ensiná-las a brincar, a fazer pulseiras de macramé borrachoso, a aprender as regras de um ou outro jogo, certos rituais sociais. Todos mesmo, desde colegas, a professores, auxiliares, técnicos, terapeutas, as tinham ali num escudo protetor invisível. Até os seus pares. E, pasme-se, crianças mais velhas.

Mas, os miúdos crescem, o tempo passa, as coisas mudam – as pessoas mudam. As piolhas mudaram de escola, mudaram de ciclo de escolaridade, mudaram de professores, mudaram até de alguns colegas. E, como alunas que são agora num ciclo acima, em plena adolescência, com colegas também em plena adolescência, todos com interesses diferentes, todos com visões diferentes do mundo que os rodeia, a mudança é mais visível, quase palpável. E, aquela bolha de proteção invisível dissipou-se, aquele sentimento de valorização do que faziam desvaneceu-se, o orgulho de ter colegas tão ímpares desapareceu. “as gémeas” – só assim, “as gémeas”, sem adjetivos – passaram a ser “as gémeas autistas” ou “as miúdas estranhas”, seja lá o que isso for, como se fosse necessário ter mais epítetos para as distinguir, como se o facto de serem, possivelmente, as gémeas mais conhecidas cá da terra não fosse suficiente.

Elas também mudaram: endureceram, amadureceram mais rápido, passaram a não confiar despreocupadamente e a ter bastantes reservas nesta coisa da socialização. Porque, algures pelo caminho, algo as fez tornar-se assim… Porque era preciso demarcá-las. Era preciso acrescentar o que as distingue dos outros mas que ninguém vê.  Era preciso acrescentar aquilo que as torna diferentes dos outros, como se serem gémeas idênticas não fosse já diferença dos demais.  Era preciso insistir no “autistas” vezes e vezes e vezes sem conta, como se não tivessem nome ou não fossem seres individuais ou fosse isso o mais importante na sua distinção dos outros.

Era preciso demarcar a diferença – está visto.

E, aquela frase lá em cima, aquela frase que tanto me marcou quando li este artigo pela primeira vez, veio provar-se real - tão absurda e dolorosamente real.

Não precisamos que elas sejam as coqueluches da escola, não precisamos que sejam as populares da escola. Precisamos – elas precisam - é de ser aceites pelo que são, reconhecidas e tratadas pelos nomes que têm e pelo que alcançam, respeitadas pelas suas escolhas e, sim, diferenças também! Porque, já o disse várias vezes, ainda que a linha seja ténue e não haja uma fronteira palpável entre o -ismo e o não -ismo, elas são muito mais que um qualquer -ismo. Tão mais.

 

65468475_3037539636286243_2851911967340232704_n.jp

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram --------------

publicado às 09:00

Culpada, disseram todos.

por t2para4, em 07.07.20

A culpa primordial de todos os males da Humanidade recai sobre a mulher. E há imensos exemplos disso na Mitologia, na História, na vida real. Provada que esteja ou não essa alegada culpa. Temos Eva (que não resistiu ao encantamento diabólico), Pandora (que não controlou a sua curiosidade), as bruxas de Salem, a mulher comum que não consegue engravidar ou tem filhos com deficiência. E já dei exemplos religiosos, mitológicos, históricos e reais.

A culpa é sempre da mulher. E, quando passa a ser mãe, a culpa é sempre da mãe.

Até há não muito tempo, no nosso país, a mulher que não casasse virgem – com ou sem o homem com quem tivesse tido essa primeira experiência – era uma desavergonhada; já do homem, não se diz o mesmo, pelo contrário, incentivava-se a essa experiência de forma quase pública, afinal, ia tornar-se um homem; se a mulher casada não engravidasse, a culpa era dela pois não servia o seu propósito de vaso recetor e fecundador do marido, independentemente de haver a possibilidade de essa dificuldade ou infertilidade poder ter causas masculinas; se nascia uma criança do sexo feminino, a culpa era da mulher pois ela é que tinha parido – ainda que a ciência tenha vindo explicar que, afinal, a determinação do sexo é feita pelo homem pois é ele quem possui os cromossomas XY; se uma criança nasce com uma deficiência, mesmo que seja uma anomalia genética única não presente no pai ou na mãe, a culpa é da mãe pois não terá seguido o indicado para uma gravidez segura, ela é quem carrega o bebé, ela é quem dá à luz, logo, ela é a culpada.

Sempre a culpada, sempre a acusada, sempre a ré – sem julgamento, sem defesa, só com acusação.

Quando começaram a surgir os primeiros casos diagnosticados sob o nome de autismo, a primeira resposta à pergunta “qual a causa”, foi a teoria das mães-frigorífico. Esta teoria, cunhada por altura dos anos 1950, defendida por alguns psicanalistas (o autismo esteve durante muito tempo ligado à psicanálise e avaliado, analisado e tratado sob o ponto de vista desta área), sugeria que o autismo era causa direta da falta de calor humano, amor e carinho por parte das mães. Leo Kanner, o autor da teoria, através da observação direta de alguns casos, referia haver uma frieza, distanciamento e alheamento dos pais – em especial da mãe, sobre quem recaía a função de educação dos filhos – e uma atenção quase mecânica, causando a ausência de um vínculo correto. Mais tarde, esta teoria foi descartada e revogada e desacreditada mas já era tarde demais. Estamos na segunda década do século XXI e ainda há membros clínicos, familiares e pessoas comuns que acreditam nesta teoria. E, mais uma vez, a culpa é da mãe. Repare-se que o nome da teoria é “mães-frigorífico” e não “pais ou avós frigorífico”.

Não há culpas a atribuir num diagnóstico, jamais aos progenitores. Nenhum progenitor entra numa gravidez a desejar que o seu bebé tenha um problema de saúde ou uma perturbação neurológica. A hereditariedade, a genética, o ambiente ou até mesmo todos estes fatores combinados – quando possível – podem dar uma resposta para a causa de uma doença, condição ou perturbação. E essa resposta pode ser rápida, lenta ou nunca chegar... Esses mesmos fatores, combinados ou não, podem ser A causa dessa doença, condição ou perturbação… Mas, na minha ótica, mais importante do que uma possível causa, é o que podemos fazer no “durante”: que tratamentos há, que trabalho pode ser feito, que cursos terapêuticos podemos seguir, que medicação é ou não adequada e se existe, etc. Pode haver uma cura. Pode não haver cura. O que não pode haver é a atribuição de culpas aos pais, em especial à mãe.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

publicado às 08:45

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens