Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Não há regresso à normalidade. Seja lá o que isso for. Talvez seja mais coerente dizer "não há regresso ao que fazíamos antes". Não há de todo, é impossível.
Já começámos a aliviar algum do nosso confinamento no que respeita às visitas aos familiares: já fomos ver os avós, tocar bateria, passear no jardim, abraçar a tia.
E é só isso.
Não há o aviar recados com a mãe, não há o ir às compras com os pais, não há o comprar uma t-shirt nova só porque sim, não há o visitar uma loja para ver se compramos umas roupinhas novas, não há o passear na vila como antes, não há o ir tomar um café fora, não há o ir a um centro comercial. Não há um beijo aos avós ou à tia - e isso é o que é, de longe, o mais estranho...
Não são imposições da mãe! A mãe é que não vê necessidade nenhuma de espetar uma máscara nas caras das filhas só para as levar a algum lado sem haver necessidade absoluta disso. Agradeço aos céus o pior das nossas vidas já ter passado pois juro que não sei como iria colocar-lhes uma máscara se tivesse sido há uns anos. Agora, são elas próprias que sabem da segurança que a máscara proporciona, sabem como usar e retirar e sabem que usarão máscaras descartáveis. E sabem que serão postas à prova em breve pois teremos de nos deslocar ao hospital para uma consulta. A maturidade física e neurológica permitiu-nos dar um salto de gigante no que respeita à tolerância de toque e uso de acessórios na cara.


Temos uma pequena ideia do que faremos quando chegar o verão e de que estas serão as férias mais estranhas e adaptativas que teremos até ao momento. E não podemos chamar isso de normalidade. Uma nova normalidade, talvez, sim, faz mais sentido. Mas não o regresso ao que era antes, isso já não existe.


E, na minha opinião, esta nova normalidade é limitativa. Uma máscara abafa o som, impede a real discriminação auditiva de que necessitamos em alguns casos (a minha mãe é surda profunda de um ouvido e já ouve mal de outro, sem a proximidade e a leitura labial, é ainda mais difícil para ela descortinar sons - a mesma discriminação de que as piolhas precisam para identificar as palavras e os seus significados); o distanciamento social faz-nos ficar desconfiados de tudo e todos e, nos casos de amigos ou familiares, é muito complicado não ceder ao impulso de um abraço apertadinho ou de um beijo; o não tocar em nada que não se queira trazer - ou tocar apenas na cara - é um teste à nossa força mental. Não há terapias presenciais. Se, por um lado, me alivia o coração, por outro, faz-me perguntar se estaremos a perder algo... E nem vamos falar do volume de trabalho académico. Ou do medo que sentimos em relação a este e outros vírus. É isto regressar à normalidade? Não me parece.
É, sim, aceitar uma nova realidade e saber lidar com ela o melhor possível. Adaptarmo-nos - afinal, evolução é isso mesmo.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

 

publicado às 15:06

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens