Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Gosto da Astrid

por t2para4, em 28.02.21
Gosto da Astrid. Mesmo um pouco esterotipada - não confundir com estereotipia, ok?
A série "Astrid et Raphaëlle" tem como protagonistas principais duas mulheres. Uma é neurotípica, a outra é autista.
A minha experiência com séries com personagens autistas não é a melhor mas decidi dar o benefício da dúvida a esta por 3 motivos: é uma série criminal, é em francês padrão (as saudades que eu tenho de francês...) e tem uma mulher como autista. Não me arrependi. Vimos o episódio em família e até o marido, que costuma ser cético nestas coisas, gostou de alguns pontos. E dá perfeitamente para falar da vida que Astrid, a arquivista com autismo, leva no seu dia-a-dia com as piolhas e conversar sobre os aspetos mais marcantes: o porquê de ir tomar um copo/café, o desatino e a ansiedade que surgem num imprevisto, o ter a vida regrada ao minuto quando se trata do tempo do interesse, etc.
 
Foi a primeira vez que vi a utilização correta do termo "neurotípico" (e foi muito engraçado explicar isto às piolhas. "Ah, quer dizer que são normais?" Não, quer dizer que não têm nenhuma neurodivergência, ou seja, nenhum tipo de diagnóstico relacionado com questões neurológicas; basicamente é uma espécie de diagnóstico para todos esses).
 
Impressionou-me, muito, pela positiva, a existência de grupos de apoio a autistas adultos que trabalham. Faz-me acreditar num mundo em mudança para melhor. Apesar das queixas dadas por esses adultos me porem o coração pequeno... Uma das queixas era aquela que sentimos diariamente aqui: nós é que temos de nos adaptar a tudo e todos, como se tivéssemos de pedir por favor - ninguém pede a um surdo que comece a ouvir.
 
Há cenas exageradas - como em tudo o que é ficção; há momentos esquisitos até para um autista - como em tudo o que é ficção. Mas há ali comportamentos reais: Astrid tem um emprego devido a um favor ao pai (quantos casos deste género temos por cá...); trabalha num local sossegado e tranquilo, onde pode estar una com os seus interesses quase obsessivos e longe de estímulos que a levem a sobrecarga sensorial; teve uma pequena crise de sobrecarga sensorial e teve de se afastar dos gatilhos; tem uma rigidez tremenda no que concerne horários; debita factos; depende de rotinas para se estruturar e não lida nada nada bem com a imprevisibilidade; é maltratada pelo superior que a humilha; é chamada de maluca e esquisita e estranha por montes de gente.
 
Assim, de repente, e sem me desviar muito, são comportamentos que as piolhas também revelam. Não com tanta rigidez nem com tantas estereotipias tão visíveis pois elas estão mais funcionais, mas, ainda assim, com algumas destas "estranhezas", "maluquices" e "esquisitices". E tal como a Raphaëlle disse a um palerma que a chamou de maluca, nós também ensinamos as piolhas a nunca se deixarem insultar e a mandar um belo "Casse-toi!" (para sermos simpáticos e não recorrer a outra linguística).
 
Ninguém incomoda o tipo que trabalha no escritório e tem uma coleção de post-its coloridos alinhados de tons quentes para frios. Como não tem diagnóstico, tudo tranquilo. Mas todos se acham no direito de opinar sobre alguém que não tem a mínima noção/paciência/jeito para socializar à hora do cafezinho, basta ter um diagnóstico qualquer. Gente, diagnósticos servem para abrir portas, derrubar barreiras, procurar aceitação e respeito, ok? Não é para se fazer o exato oposto!
 
Either way, daqui retiramos aprendizagens. E isso, para já, com ou sem série, ajuda-me. E a Astrid, ainda que possa estar estereotipada - porque está - ajuda a trabalhar as questões sociais cá em casa com tudo o que envolve, desde a noção de autismo (não é doença, pode surgir um diagnóstico tardio, pode haver interesses díspares, podem ser funcionais ou não) à relação com o mundo (autonomia, socialização, trabalho, gestão financeira, etc.).
Esta é a minha "review" do momento, chamemos-lhe assim. Quem não gosta, não vê. Tout simplement.
 
 

1000043.jpg

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 21:33

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens