Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Rita é mãe atípica. O Lucas tem autismo e tem toda uma equipa fantástica que o acompanha. Nesta caminhada, a mãe pretende chegar mais longe e, além de desmistificar um pouco no que consiste esta sigla PEA (Perturbação do Espectro do Autismo), mostrar que o seu Lucas, tal como tantas outras crianças, no espectro ou não, pode ser feliz e valoriza e descobre tantas outras coisas a que muito poucos dão importância.
O livro está muito bem conseguido e aposta num formato multiusos, ou multiformato, para se poder chegar a todos quanto possível. Há ilustrações deliciosas, há verso, há palavras-chave, há ensinamentos, há diversidade - neurodiversidade.
Recomendo.

 

1.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 11:50

Um exemplo real em como não se deve julgar um livro pela capa - nem pelo título. A capa e o livro não deixam antever como ele é bom. É um livro excelente e de uma leitura rica, interessante, com pinceladas históricas da década de 40 do século XX, que não conseguimos pousar de ânimo leve porque apetece continuar a ler. E tem um plot twist incrível.
A história saltita entre os anos 1940s e 2011. Laurel pretende descobrir um segredo (ou segredos...) que a mãe guarda para que possa, agora que já está nos 50s e a mãe à beira da morte, finalmente perceber porque ela, a sua mãe tão boa, tão doce, tão cuidadosa, tão meiga, matou um homem com a faca dos bolos, aquela faca especial. Laurel tinha 14 anos mas nunca esqueceu o que viu embora também nunca tenha culpado a mãe...
Viajamos. Este livro faz-nos viajar dentro da Londres em escombros e da Londres moderna; dentro das casas senhoriais protegidas com fita adesiva nos vidros e sujeitas a requisição civil onde funcionavam os serviços de comunicações do Governo no passado e das ruas cheias de turistas e das universidades com bibliotecas imensas onde não faltam entusiastas no presente; da mãe de Laurel, jovem, e da mãe de Laurel, idosa. É um livro que recomendo muito. Gostei mesmo bastante.

 

1.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 22:20

"Spectrum Women - walking to the beat of autism" é um livro que deveria ser lido por todos: neurodiversos (os tais que são diferentes e cujo cérebro parece conectar-se de forma diferente) e os neurotípicos (os tais que acertam todas as caixinhas nas grelhas de desenvolvimento na faixa etária adequada).
O desconstruir de mitos associados ao sutismo, em especial ao autismo no feminino, é transversal a todos os textos. Mais importante é referir que o livro é escrito por mulheres autistas e comentado com insights de uma médica. Podemos ver, na prmeira pessoa, que é possível alcançar etapas que os neuotípicos também alcançam: escolaridade, independência, trabalho, família, etc. mas com o senão da dificuldade e do esforço acrescido. Também podemos ter acesso ao lado negro do que é ser-se e saber-se diferente sem diagnóstico, sem apoios: dependências de droga e alcool, sexo, violência.
O diagnóstico de autismo no feminino é algo difícil de se conseguir e, muitas vezes, vem tardiamente, comparativamente aos seus pares masculinos. Apesar de apresnetarem as mesmas dificuldades na tríade comunicação-interação-comportamento, as meninas tendem a ser mais observadoras e imitar o que vêem, logo, mascaram muitos dos sinais e aparentam ser e comportar-se de forma a que não aponta diretamente para autismo. Sendo ainda raro o recurso a análises genéticas específicas à microdeleção ou duplicação de determinados genes, a avaliação assenta numa série de entrevistas, preenchimento de grelhas exclusivas para despiste de autismo e avaliação visual.
A mensagem que passa, depois de tantos testemunhos e de aconselhamentos, é a de que "belonging is being accepted for you. Fitting in is being accepted for being like everyone else." (pertencer é ser aceite por quem és. Acomodar-se é ser aceite por ser como todos os outros - tradução livre). Não temos que nos misturar ou alterar quem somos ou adaptarmo-nos ao que os outros nos impõem mas sermos quem somos e como somos. Não há nada de errado nisso e há espaço para todos se todos fizermos a nossa parte: aceitar a diferença e respeitar os direitos de todos.

 

1.png 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 10:14

Em torno de enredos secretos e confissões ainda mais secretas, a trama é em torno do que achamos que conhecemos da Bíblia ou da vida de Cristo. Toca em achados reais como os pergaminhos do Mar Morto em Quram ou as ossadas que datam do século I, em Jerusalém ou até a procura do local exato do nascimento de Cristo, ali a roçar os episódios de "Expedition Unknown" do Travel Chanel.
É um livro de consumo imediato sem nos trazer nada de novo, na minha opinião. Intrigas, segredos, pouco desenvolvimento em torno do que é historicamente comprovável, muito confuso entre capítulos pois há uma série imensa de ações a decorrer ao mesmo tempo com diversas personagens, em espaços diferentes. Perdemo-nos um pouco a saltitar entre elas e obriga-nos quase a ir atrás, bem lá atrás, rever o que andou aquela personagem a fazer. Este saltitar de ação em ação baralha e é algo cansativo. No entanto, lê-se bem e dá vontade de continuar a ler. Sem spoilers, obviamente que não se espere um closure total sobre os assuntos abordados e não se espere que termina tudo em finais felizes.
É o indicado para ler na praia ou na piscina ou para desanuviar do stress do dia a dia. Não apaixona.

 

1.jpg

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 22:55

"O Velho e o mar", de Hemingway, faz parte do Plano Nacional de Leitura do 9º ano, nas escolas portuguesas. Surpreendeu-me "ver" Hemingway no 3º ciclo, em especial, porque só o "conheci" na Faculdade.
É uma leitura muito envolvente, cativante, fluida e sentida. Ora torcemos pelo velho, ora torcemos pelo peixe. Ambos muito tenazes, muito persistentes. Acompanhamos os monólogos do velho nos seus três dias em alto mar, num singelo esquife, a capturar um enorme espadarte, depois de 84 dias sem conseguir pescar nada. O velho não ganha dinheiro nenhum com o fruto da sua pesca, mas conquista a admiração, orgulho e respeito de todos os restantes pescadores (e até turistas) da aldeia onde vive.
Fico muito satisfeita - e mais rica - por ter feito esta leitura.
 
 

271044291_1309046969610667_4171297793022630463_n.j 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 11:46

Mary Higgins Clark é uma das minhas leituras favoritas. Para quem gosta de thrillers, crimes, suspense e muitos plot-twisters, é o ideal.
"The Cinderella Murder" leva-nos a respeitar a vítima e a usar o seu nome, Susan, apesar de a imprensa a tratar por Cinderela por ter perdido um sapato quando foi assassinada.
Laurie consegue perfeitamente colocar-se no lugar da vítima porque também ela - e o seu filho - foram vítimas de tentativa de assassinato, depois de concretizado o do seu marido. Ela dirige uma produção de um reality show, "Sob Suspeita" cujo objetivo, não é resolver o crime, mas trazer factos novos, uma nova visão e o não esquecimento de crimes arquivados e que merecem uma nova luz de análise.
Sempre que começamos a suspeitar de uma personagem, lá vem um plot-twister que nos faz mudar de suspeito. E quando finalmente acertamos no culpado, se fôssemos a personagem, seria tarde demais.
É o género de leitura leve - é mesmo, acredite-se - que nos remete para as séries de crime. Recomendo, quando se pretende desanuviar e perceber se seríamos bons detetives.
 

1.jpg 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 14:24

Já tinha algumas edições especiais das aventuras de Astérix e Obélix mas, mais tarde, decidimos fazer a coleção completa e, sempre que sai mais um volume, compramos logo.
"O papiro de César" não desilude e até tem um final muito surpreendente a fazer durar a tradição "boca-orelha" para que nunca nos esqueçamos das histórias.
Os nomes dados às personagens continuam hilariantes, mesmo traduzidos para português, o Astérix continua impulsivo e sagaz, o Panoramix continua sábio e paciente e o Obélix continua ingénuo e dado a birrinhas 😃 A Boapinta, mulher do chefe dos irredutíveis Gauleses, dá um ar de sua graça mais longo desta vez e é de rir.
Como disse, nunca desilude e continua irresistível. Mesmo que seja uma leitura super rápida.
 
 

Asterix-O-Papiro-de-Cesar.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 14:13

Isabel Stilwell é das minhas escritoras favoritas. Gosto muito de a ler e é fácil seguir as histórias das personagens históricas que escolhe. "D. Amélia" não foi exceção. Queria saber mais sobre a última rainha de Portugal e como foi a sua vida, que começou e terminou no exílio - com Portugal pelo meio, no seu casamento por amor com D. Carlos. Há mais na sua vida do que o regicídio e a morte dos seus dois filhos.
D. Amélia era muito alta (mais alta do que o marido- aqui identifico-me muito -), culta, preparada para reinar, algo que não pode fazer em pleno pois a mentalidade portuguesa da altura não estava preparada para que ela assumisse esse papel, não depois da sua sogra gastadora e pouco preocupada com as andanças do país onde veio casar.
É uma leitura muito interessante, muito próxima cronologicamente e muito visual. À medida que lia as descrições e objetos que tinha no Palácio da Pena, recordava-me das suas fotografias - a de D. Carlos e filhos, por exemplo - e dos seus aposentos e paço.
Fica a dica de leitura.

 

263029166_199627185695172_5667904118865012233_n.jp

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 13:37

Para quem gosta de thrillers e suspense, este é um excelente candidato a leitura. É uma compilação de 3 romances com Itália como denominador comum, a par com um enredo que nos impele a continuar a ler.
"Casamento em Veneza" leva-nos a viajar entre Paris, Xangai e Veneza. E é emocionante do início ao fim, com vislumbres de investigação criminal.
"Viagem a Capri" remete-nos para cenas à Poirot na tentativa de descobri o assassino. Pode ser a perfeita homenagem a Agatha Christie, com a diferença de que... se passa em Itália, claro. A minha história preferida, neste livro.
"Regresso a Itália" é diferente das narrativas anteriores e o mistério não é tão adensado como esperava. Lê-se bem mas não me prendeu.
Leitura de descontração, é o que sinto. Lê-se bem, é interessante, é emocionante.
 

253870317_861168494577540_4586865820589901832_n.jp

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 20:56

"Quinze piratas sobre o caixão
Io ho ho ho e uma garrafa de rum!"
 
Se tivéssemos de escolher uma música que fosse a banda sonora desta obra, seria esta certamente. O nosso imaginário ferve de entusiasmo visual durante a leitura: estalagens, tabernas, piratas, um mapa de tesouro, uma arca, barcos, bandeiras, uma revolta, uma cabana na floresta, a ilha do tesouro, os nomes dados aos locais (Floresta do Esqueleto, Monte do Óculo), o X marca o local.
Neste livro, mais importante que a caça ao tesouro, é a aventura que se vive para lá chegar, as provações passadas, os perigos enfrentados, as coragens arrancadas ao fundo da alma.
Faz parte do Plano Nacional de Leitura do 8º ano e é uma leitura fluida, de ação contínua, simples e rápida de se ler.
 

Screen-Shot-2017-05-03-at-2.38.03-PM.png

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 14:21

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens