Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Leitura leve, sem grande aprofundamento histórico, embora bem contextualizado e que nos dá uma noção do que se poderá ter passado. Peca por não desenvolver toda a trama que levou à Restauração da Independência e passa muito pela rama.
D. Sebastião, se vivo na altura já seria idoso, é constantemente invocado, tal é o desejo de liberdade, de reconquista da coroa portuguesa.
É uma boa leitura de férias para quem quiser perceber minimamente o que se passou ao longo de 60 anos de subjugação espanhola até à independência mas não é um tratado histórico. Fica a sensação de que falta ali algo mais.

 

294695106_778950896879695_7496019654026380349_n.jp  

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 17:37

"Luís Vaz faz do verbo amar o seu verbo maior".
A vida de Camões, mais do que a sua obra, aos olhos das mulheres que o amaram com toda a profundeza das suas almas: da sua mãe de leite até à Condessa de Linhares.
Luís Vaz, que tantas arrelias e preocupações, deu à sua mãe, Ana de Sá, desde miúdo, passando pelos seus tempos na Universidade de Coimbra, o seu tempo de soldado em Ceuta (onde foi ferido no olho, acabando por perdê-lo), à sua viagem para a Índia, à escrita apaixonada da sua epopeia e ao seu regresso a Lisboa.
Luís Vaz, cheio de amor sem saber bem o que era o amor, para si, algo plural, pois o seu amor maior seria a Pátria, que se finou no mesmo tempo que o Poeta.
Luís Vaz, que desde tenra idade, sabia que iria escrever uma epopeia, uma que estaria na mesma prateleira que a Ilíada e, ao longo de tantos anos, foi compondo os cantos, em versos decassilábicos, salvando os cantos que já conseguira escrever na Índia do naufrágio onde perdeu Dinamene, um grande amor.
Luís Vaz que conseguiu "levar à estampa" a sua obra e que, apesar dos elogios, não foi arrebatada por D. Sebastião, aquele rei tão desejado e que tanto perigou o país ao recusar matrimónio e descendência, e apenas ficou a receber uma vença mínima em comparação com outros do Reino.
Luís Vaz, que tanto amou e tanto foi amado, morreu por causa da peste, tendo ao seu lado a sua mãe adotiva, o seu criado jau, o velho Chiado (poeta vagabundo e citadino) e D. Manuel de Bragança, que lhe deu o lençol onde foi embrulhado a sepultar, sem que por ele dobrassem os sinos, numa sepultura destinada às vítimas da peste, pobre e esquecido. A sua morte coincide com a perda do Reino para D. Filipe II, rei de Espanha, a malfadada e desgraçada campanha militar em Alcácer-Quibir onde se perderam o rei reinante e os possíveis herdeiros, a morte do cardeal D. Henrique antes de dispensa papal para contrair matrimónio e assegurar descendência, com "Os Lusíadas" impressos mas pouco divulgados, apesar de já estarem em Espanha e Itália.
A 10 de junho morre o Poeta. E o seu verdadeiro valor, como em quase tudo, surge depois da sua morte. Hoje, volvidos mais de 500 anos, o Poeta, seguramente, estará feliz e saberá que a sua epopeia é a nossa grande obra e é leitura obrigatória e faz parte dos programas escolares nacionais. A sua epopeia e a sua lírica, apaixonada, ardente, única.

"Até que o amor me mate", de Maria João Lopo de Carvalho, é leitura obrigatória para quem quiser saber mais deste nosso bon-vivant que tinha tanto amor para dar e tanto para versar.

 

293431544_4179132248878660_1209714810331141311_n.j

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 13:33

Fazem parte da nossa geração. O Chico, o Pedro, o João e as gémeas Teresa e Luísa são eternamente adolescentes e vivem as mais variadas aventuras, nos mais variados locais. Desta vez, vão até aos lados do deserto, lá para as arábias, como amigo Omar que conheceram numa aventura anterior, e convidados a passarem umas semanas naqueles países exóticos e quentes, não se fizeram rogados.
Viajamos com o grupo através das histórias de Xerazade e da rainha do Sabá, falaremos de livros e escritos antigos como o tempo e, claro, viveremos uma nova aventura - ou não fosse esse o mote.
Não desilude, não importa a idade.

 

285809636_1102629343624394_453817228424862849_n.jp

 

Asterix é o mesmo. Nunca desilude e as suas aventuras mantêm a sua essência, ainda que eu preferisse os nomes originais das traduções dos anos 90. 

 

transferir.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 21:30

Ninguém esperava que o herdeiro direto do poderoso rei Henry VIII, o seu filho Eduardo morresse tão jovem e, mais grave do que isso, sem herdeiros. Resta, numa Inglaterra conturbada religiosamente, subir ao trono a fanática Mary e depois a teimosa Elisabeth I. Elisabeth não autorizava casamentos das suas aias ou familiares de forma leve, não tolerava ser deixada para segundo plano, não queria casar porque não podia fazê-lo com quem queria e, principalmente, não queria nomear um herdeiro.
Esta é a história de três princesas Tudor que nunca viram o trono, apesar de serem as herdeiras legítimas, sucessoras por direito de Elisabeth. Elas e Mary, Rainha dos Escoceses, todas primas e, a certa altura das suas vidas, todas elas prisioneiras sem razão aparente, por capricho de Elisabeth.
Jane Grey, protestante assumida, é tratada na primeira parte. E deixa, antes da sua morte, a morte a que foi condenada, uma mensagem às suas irmãs.
Katherine Grey ousa casar, sem autorização com um Seymor, de quem teve dois meninos -meninos!!! - com uma linhagem fortíssima Tudor-Seymor, acaba na Torre e dali numa série de casas, como prisioneira. Ela, o marido e os dois filhos.
Maria Grey, segue os passos da irmã do meio e também casa sem permissão da rainha. Acabam, ela e o marido, prisioneiros separados, até que a morte dele dita, mais tarde, a liberdade dela. Quando ela já não é um perigo para a coroa de Elisabeth nem uma ameaça pois é a última princesa Tudor e a rainha ainda tem muito que fazer no que respeita à sua outra prima, Mary, a Rainha dos Escoceses.

É uma leitura extremamente rica, que nos faz viajar até ao tempo dos Tudor e tudo o que rodeia a corte e faz a Londres daquela época. De uma das minhas autoras favoritas, Philippa Gregory, de um dos tipos de romance favorito, romance histórico. Lido em inglês. Muito recomendado, claro.

 

1.jpeg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 18:10

Em torno de enredos secretos e confissões ainda mais secretas, a trama é em torno do que achamos que conhecemos da Bíblia ou da vida de Cristo. Toca em achados reais como os pergaminhos do Mar Morto em Quram ou as ossadas que datam do século I, em Jerusalém ou até a procura do local exato do nascimento de Cristo, ali a roçar os episódios de "Expedition Unknown" do Travel Chanel.
É um livro de consumo imediato sem nos trazer nada de novo, na minha opinião. Intrigas, segredos, pouco desenvolvimento em torno do que é historicamente comprovável, muito confuso entre capítulos pois há uma série imensa de ações a decorrer ao mesmo tempo com diversas personagens, em espaços diferentes. Perdemo-nos um pouco a saltitar entre elas e obriga-nos quase a ir atrás, bem lá atrás, rever o que andou aquela personagem a fazer. Este saltitar de ação em ação baralha e é algo cansativo. No entanto, lê-se bem e dá vontade de continuar a ler. Sem spoilers, obviamente que não se espere um closure total sobre os assuntos abordados e não se espere que termina tudo em finais felizes.
É o indicado para ler na praia ou na piscina ou para desanuviar do stress do dia a dia. Não apaixona.

 

1.jpg

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 22:55

"O Velho e o mar", de Hemingway, faz parte do Plano Nacional de Leitura do 9º ano, nas escolas portuguesas. Surpreendeu-me "ver" Hemingway no 3º ciclo, em especial, porque só o "conheci" na Faculdade.
É uma leitura muito envolvente, cativante, fluida e sentida. Ora torcemos pelo velho, ora torcemos pelo peixe. Ambos muito tenazes, muito persistentes. Acompanhamos os monólogos do velho nos seus três dias em alto mar, num singelo esquife, a capturar um enorme espadarte, depois de 84 dias sem conseguir pescar nada. O velho não ganha dinheiro nenhum com o fruto da sua pesca, mas conquista a admiração, orgulho e respeito de todos os restantes pescadores (e até turistas) da aldeia onde vive.
Fico muito satisfeita - e mais rica - por ter feito esta leitura.
 
 

271044291_1309046969610667_4171297793022630463_n.j 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 11:46

"Uma velha e o seu gato" e "História de dois cães", de Doris Lessing, leem-se de uma assentada só. É fantástico folhear as folhas grossas do livro e as histórias, surpreendentemente, prendem-nos, apesar do seu choque frontal e brutal com a realidade, com a vida, com a morte.
A primeira faz-nos doer o coração. Hetty é uma outsider, não se encaixa nos padrões típicos da sociedade. Nem ela nem o seu gato, Tibs. O gato que olha por ela e lhe traz alimento, que nunca a abandona e que sabe como sobreviver. São ambos sobreviventes, pouco dados às normas sociais. A (não) relação de Hetty com os filhos choca-me e aperta-me o coração. A sua relação com o gato impressiona-me.
A segunda é um regresso às origens mais primitivas, não importa o pedigree. Somos o que somos - na visão dos comportamentos de dois cães, nas fazendas inglesas em África. Menos emotiva que a história anterior, não menos rica em detalhes e na relação dos animais um com o outro ou com os humanos. Comportamentos humanos e animais que, hoje, chocariam as associações de defesa dos animais.
Leitura que faz parte do Plano Nacional de Leitura nas escolas portuguesas e que me surpreendeu pela positiva não só pela sua fluidez mas pelo agarrar do leitor ao longo da narrativa.
 

269851395_639080123888634_5593211988366255356_n.jp 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 13:49

Mary Higgins Clark é uma das minhas leituras favoritas. Para quem gosta de thrillers, crimes, suspense e muitos plot-twisters, é o ideal.
"The Cinderella Murder" leva-nos a respeitar a vítima e a usar o seu nome, Susan, apesar de a imprensa a tratar por Cinderela por ter perdido um sapato quando foi assassinada.
Laurie consegue perfeitamente colocar-se no lugar da vítima porque também ela - e o seu filho - foram vítimas de tentativa de assassinato, depois de concretizado o do seu marido. Ela dirige uma produção de um reality show, "Sob Suspeita" cujo objetivo, não é resolver o crime, mas trazer factos novos, uma nova visão e o não esquecimento de crimes arquivados e que merecem uma nova luz de análise.
Sempre que começamos a suspeitar de uma personagem, lá vem um plot-twister que nos faz mudar de suspeito. E quando finalmente acertamos no culpado, se fôssemos a personagem, seria tarde demais.
É o género de leitura leve - é mesmo, acredite-se - que nos remete para as séries de crime. Recomendo, quando se pretende desanuviar e perceber se seríamos bons detetives.
 

1.jpg 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 14:24

Já tinha algumas edições especiais das aventuras de Astérix e Obélix mas, mais tarde, decidimos fazer a coleção completa e, sempre que sai mais um volume, compramos logo.
"O papiro de César" não desilude e até tem um final muito surpreendente a fazer durar a tradição "boca-orelha" para que nunca nos esqueçamos das histórias.
Os nomes dados às personagens continuam hilariantes, mesmo traduzidos para português, o Astérix continua impulsivo e sagaz, o Panoramix continua sábio e paciente e o Obélix continua ingénuo e dado a birrinhas 😃 A Boapinta, mulher do chefe dos irredutíveis Gauleses, dá um ar de sua graça mais longo desta vez e é de rir.
Como disse, nunca desilude e continua irresistível. Mesmo que seja uma leitura super rápida.
 
 

Asterix-O-Papiro-de-Cesar.jpg

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 14:13

Isabel Stilwell é das minhas escritoras favoritas. Gosto muito de a ler e é fácil seguir as histórias das personagens históricas que escolhe. "D. Amélia" não foi exceção. Queria saber mais sobre a última rainha de Portugal e como foi a sua vida, que começou e terminou no exílio - com Portugal pelo meio, no seu casamento por amor com D. Carlos. Há mais na sua vida do que o regicídio e a morte dos seus dois filhos.
D. Amélia era muito alta (mais alta do que o marido- aqui identifico-me muito -), culta, preparada para reinar, algo que não pode fazer em pleno pois a mentalidade portuguesa da altura não estava preparada para que ela assumisse esse papel, não depois da sua sogra gastadora e pouco preocupada com as andanças do país onde veio casar.
É uma leitura muito interessante, muito próxima cronologicamente e muito visual. À medida que lia as descrições e objetos que tinha no Palácio da Pena, recordava-me das suas fotografias - a de D. Carlos e filhos, por exemplo - e dos seus aposentos e paço.
Fica a dica de leitura.

 

263029166_199627185695172_5667904118865012233_n.jp

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram ------------

publicado às 13:37

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens