Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Há quase 13 anos, depois de semanas a dormir sentada e rodeada de almofadas, farta de estar grávida e de mal conseguir mexer-me em condições, com dores excruciantes nos rins, ganhei uma viagem alucinante até à maternidade. Ninguém nasceu nesse dia, nem no seguinte, nem no a seguir. Ainda foi preciso esperar uma semana para o grande acontecimento do ano.


As partes mais loucas de que lembro dessa noite é de exigir vestir uma túnica branca - que basicamente era das pouquíssimas coisas que ainda me servia sem eu ficar a parecer um barril - e das luzes de aviso dos travões do carro que entraram em sobreaquecimento (memo to myself: há anos que o marido deseja secretamente um curso de condução evasiva e defensiva, mas sinceramente, só se for por causa do papel pois ele mete muito condutor profissional a um canto. Um dia ofereço-lhe essa prenda).
O diagnóstico foi simples de fazer: as duas bebés sentadas estavam a fazer demasiada pressão nos meus rins, o que complicou ali a coisa e fez voltar as contrações que estavam mais ou menos controladas desde as 32 semanas. Estávamos nas 34 semanas e uns dias.


Não fiquei no mesmo quarto onde ficara nos internamentos anteriores.
Lembro de estarmos na pausa de temporadas do Lost mas de conseguir ver o novíssimo filme dos "Piratas das Caraíbas: nos confins do mundo" e de ficar impressionadíssima com o grafismo visual do que seria o fim do mar representativo do fim do mundo, qual pintura medieval. Refugiava-me nos vídeos que levava no computador e no fórum em que participava e devorei todos os livros de Isabel Allende que uma grande amiga me emprestara. E fazer palavras cruzadas aos molhos. A minha colega de quarto era cheia de teorias da conspiração que me exasperavam. Ela assustava-me, porra.
Lembro-me ainda de tomar bastantes relaxantes musculares (que acabaram por me causar uma pequena reação alérgica), de fazer milhentos toques durante o dia (e amaldiçoar essa técnica de despiste de dilatação), de fitas apertadas em volta da barriga e dos habituais "carregue aqui sempre que sentir o bebé" e de estar constantemente a carregar pois havia sempre uma com soluços, o que significava voltar a repetir aquilo tudo mas sem marcar os soluços.
E, lembro-me de querer ver as pequeninas trigémeas minhas companheiras de barriga que haviam nascido um mês antes mas não poder sair da cama...
Lembro-me distintamente de outras questões relacionadas com trabalhos que só chateavam. E de ter as malas da maternidade prontas a usar.


O resto é tudo confuso e enevoado. E nem acredito que já se passou todo este tempo. Estávamos tão perto - tão perto - de embarcar na maior e mais louca aventura das nossas vidas. E sem nenhum livro de instruções ou páginas web úteis.
Memórias que surgem    

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook e no Instagram -------------

publicado às 22:00

Culpada, disseram todos.

por t2para4, em 07.07.20

A culpa primordial de todos os males da Humanidade recai sobre a mulher. E há imensos exemplos disso na Mitologia, na História, na vida real. Provada que esteja ou não essa alegada culpa. Temos Eva (que não resistiu ao encantamento diabólico), Pandora (que não controlou a sua curiosidade), as bruxas de Salem, a mulher comum que não consegue engravidar ou tem filhos com deficiência. E já dei exemplos religiosos, mitológicos, históricos e reais.

A culpa é sempre da mulher. E, quando passa a ser mãe, a culpa é sempre da mãe.

Até há não muito tempo, no nosso país, a mulher que não casasse virgem – com ou sem o homem com quem tivesse tido essa primeira experiência – era uma desavergonhada; já do homem, não se diz o mesmo, pelo contrário, incentivava-se a essa experiência de forma quase pública, afinal, ia tornar-se um homem; se a mulher casada não engravidasse, a culpa era dela pois não servia o seu propósito de vaso recetor e fecundador do marido, independentemente de haver a possibilidade de essa dificuldade ou infertilidade poder ter causas masculinas; se nascia uma criança do sexo feminino, a culpa era da mulher pois ela é que tinha parido – ainda que a ciência tenha vindo explicar que, afinal, a determinação do sexo é feita pelo homem pois é ele quem possui os cromossomas XY; se uma criança nasce com uma deficiência, mesmo que seja uma anomalia genética única não presente no pai ou na mãe, a culpa é da mãe pois não terá seguido o indicado para uma gravidez segura, ela é quem carrega o bebé, ela é quem dá à luz, logo, ela é a culpada.

Sempre a culpada, sempre a acusada, sempre a ré – sem julgamento, sem defesa, só com acusação.

Quando começaram a surgir os primeiros casos diagnosticados sob o nome de autismo, a primeira resposta à pergunta “qual a causa”, foi a teoria das mães-frigorífico. Esta teoria, cunhada por altura dos anos 1950, defendida por alguns psicanalistas (o autismo esteve durante muito tempo ligado à psicanálise e avaliado, analisado e tratado sob o ponto de vista desta área), sugeria que o autismo era causa direta da falta de calor humano, amor e carinho por parte das mães. Leo Kanner, o autor da teoria, através da observação direta de alguns casos, referia haver uma frieza, distanciamento e alheamento dos pais – em especial da mãe, sobre quem recaía a função de educação dos filhos – e uma atenção quase mecânica, causando a ausência de um vínculo correto. Mais tarde, esta teoria foi descartada e revogada e desacreditada mas já era tarde demais. Estamos na segunda década do século XXI e ainda há membros clínicos, familiares e pessoas comuns que acreditam nesta teoria. E, mais uma vez, a culpa é da mãe. Repare-se que o nome da teoria é “mães-frigorífico” e não “pais ou avós frigorífico”.

Não há culpas a atribuir num diagnóstico, jamais aos progenitores. Nenhum progenitor entra numa gravidez a desejar que o seu bebé tenha um problema de saúde ou uma perturbação neurológica. A hereditariedade, a genética, o ambiente ou até mesmo todos estes fatores combinados – quando possível – podem dar uma resposta para a causa de uma doença, condição ou perturbação. E essa resposta pode ser rápida, lenta ou nunca chegar... Esses mesmos fatores, combinados ou não, podem ser A causa dessa doença, condição ou perturbação… Mas, na minha ótica, mais importante do que uma possível causa, é o que podemos fazer no “durante”: que tratamentos há, que trabalho pode ser feito, que cursos terapêuticos podemos seguir, que medicação é ou não adequada e se existe, etc. Pode haver uma cura. Pode não haver cura. O que não pode haver é a atribuição de culpas aos pais, em especial à mãe.

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

publicado às 08:45

Coisas que nunca pensei dizer na vida

por t2para4, em 24.04.20

1. "Vê se te despachas a comer que tens de ir ver televisão às 14h"

2. "Está aqui o horário das vossas aulas na RTP memória. Quero-vos em frente à televisão a tirar notas"

3. "Podem ir às gravações rever a aula da televisão"

4. "Uma tarde inteira em frente à televisão? Ah mas são aulas... Vá, vão lá, não se atrasem"

5. "É para estar em frente ao computador às 8:30."

6. "Linux é mais rápido que Windows nas vídeo chamadas, muda lá de sistema operativo"

7. "Obrigada marido por teres insistido em meter uma TV no quarto das piolhas"

 

E é isto. Vou morder a língua e pôr o cérebro de molho.

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

publicado às 23:35

"Mattias: My father [...] taught me to never take the good for granted. He’d say, “Be prepared. Just when you think you found your way, life will throw you onto a new path.”
Anna: What do you do when it does?
Mattias: Don’t give up. Take it one step at a time, and…
Anna: Just do the next right thing?
Mattias: Yeah. You got it."

Este diálogo faz parte do filme Frozen II e marcou-me. Fiquei a pensar naquilo porque esta é uma realidade que nos assenta que nem uma luva.
Desde sempre que tivemos que aprender a não tomar as coisas dadas como garantidas. E isso foi-nos ensinado de forma crua, dura.
Desde sempre que nunca pudemos traçar o nosso caminho com régua e esquadro ou inserir coordenadas num GPS. Qualquer que seja o mapa, qualquer que seja o sistema operativo do GPS, qualquer que seja a marca ou o modelo do aparelho, a verdade, a realidade é que, a vida atira-nos para um novo caminho. E nós até estamos a seguir as instruções e as placas e as coordenadas. Mas lá vamos nós. Mais uma moedinha, mais uma voltinha. Mas num caminho diferente.
Gaita. Fomos enganados. Não conhecemos este caminho. temos de voltar para trás. Não dá para virar aqui. Não podemos fazer inversão de marcha. Então? Bem, vamos andando e vendo. Um passo de cada vez e logo se verá, um dia de cada vez, e cada dia uma nova etapa e uma parte de caminho percorrida.
E depois? Depois? Bem, depois continuamos ao caminho e fazemos o que achamos o mais adequado... E adaptamo-nos. E moldamo-nos. E tornamo-nos versáteis.
É isto que nos faz fortes e nos enfraquece ao mesmo tempo.
É isto que nos enrijece o coração mas nos faz amar.
É isto que nos faz viver em ansiedade mas usufruir a viagem.
É isto que nos enerve mas nos faz valorizar as pequenas coisas.
É isto que nos difere das outras pessoas. Que podem ser como nós.

"Don’t give up. Take it one step at a time, and…Just do the next right thing."

Esta "the next right thing" pode ser algo tão simples como apenas um sorriso para uma mãe cansada, um olhar simpático para uma mãe com uma criança em birra, um sms com um simples bom dia ou fica bem, um gif engraçado no messenger ou no whatsapp, um beijo, um convite para um café, uma ajuda com os TPC dos miúdos, sei lá, há tantas TANTAS pequenas grandes coisas que podemos fazer e tornar na "next right thing".

Porque a vida, às vezes, muitas vezes, muda-nos o caminho...

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

publicado às 18:54

"Mães Cansadas Precisam de Ajuda e Não de Palpites"

Possibilidades ínfimas de enfiar este motto p'los olhos 'adentro' de algumas pessoas:
- impresso em t-shirts
- ímans de frigorífico
- distribuição viral e exaustiva nas redes sociais
- outdoors (desde os habituais de papel aos iluminados estilo Lefties em centros comerciais)
- cartões de visita
- pequeno merchandising do estilo réguas, porta-chaves, blocos de notas, autocolantes
- faixas luminosas
- suportes de matrículas para carros
- carimbos
- mensagens em talões de supermercado
- tatuagens
- etc etc etc

Portanto e como se vê, as possibilidades são inúmeras.
Já a minha paciência não é assim tão extensa.

#ohhajapaciência #raiospartam #palpiteirosdeserviço #gentesabichonasemnadasaber #euquerovivernumabolha #paremomundoquerosair #eujánascicansada #anotemeparemdemechatear #t2para4

 

 

-------------- Estamos também no Facebook -------------------

publicado às 00:42

Pões o cinto ou tenho de me zangar?

por t2para4, em 15.11.18

Contexto: há uns anos fui a uma reunião de pais/mães de crianças com PEA. Saí de lá podre. A certa altura, uma mãe dizia que não conseguia controlar o filho de 2 anos porque ele gritava e esperneava quando o punha na cadeirinha. Então, para evitar isto, a senhora deixava-o ir sem cintos, apenas e somente sentado. Como o menino tinha "problemas", coitadinho, deixava-o ir... Fiquei escandalizada, horrorizada, chocada, estupefacta. Nunca mais me meti em ajuntamentos desses. Prefiro ser "autista" também. As minhas filhas são crianças. São tratadas como as outras crianças, independentemente do seu autismo.


Hoje, à minha frente, ia uma carrinha mini-van com crianças. Uma delas ia à solta dentro do carro a fazer o que bem queria e ainda lhe sobrava tempo. Ninguém parou para a sentar e colocar os cintos (ou fazer como eu: ou te sentas e pões os cintos ou estás aqui estás a levar no focinho e ai de ti que eu sonhe sequer que mexeste nos cintos). E lá ia a criança aos pinotes dentro do carro, a passar de lugar em lugar sem questionar, e o carro sem parar.


Meus senhores e minhas senhoras: a maternidade/parentalidade não é uma democracia, as crianças não mandam nem têm quereres, as regras são para cumprir e até a parvinha da Dora, a Exploradora sabe que a segurança vem em primeiro lugar. Isto não é parentalidade assim e assado; é irresponsabilidade pura e dura.

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

publicado às 18:21

Clássicos (verbais) da maternidade #3

por t2para4, em 25.06.18

Eu acho que este é O clássico e deveria ter sido logo o primeiro, mas pronto, está no top 3.

 

Perante a recusa sistemática da nossa cria /aluno/criança em relação a qualquer coisa, colocar o ar mais sério deste mundo, semicerrar os olhos (acho mais assustador do que abri-los e isso assuta-me pois lembra-me uma colega que tive há uns anos que tinha uns olhos enormes saídos das órbitras. Quando ela se enervava e abria ainda mais os olhos, até eu me escagaçava toda...), levantar a mão e dizer bem alto e com firmeza:

 

Eu vou contar até 3. Um.... Dois... 

 

 

O truque aqui é ser-se tão firme que não há hipótese de chegar ao 3. Além disso, como eles não sabem o que aontece ao chegar ao 3, a gente deixa-os na dúvida, não vá abrir-se um portal para outra dimensão... 

 

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

publicado às 10:00

Clássicos (verbais) da maternidade #2

por t2para4, em 04.06.18

Ou "como me tornei na minha mãe sem me aperceber" #2

 

Dado o tempo meteorológico bipolar, incerto, instável, depressivo e sei-lá-mais-o-quê que temos tido, honestamente, não sei o que vestir às piolhas ou preparar para as aulas de Ed. Física. Na dúvida:

 

Leva o casaco que podes ter frio. Eu vou trabalhar e não posso ir levar-to à escola. (insistir, abrir os olhos, levantar o sobrolho e fechar bem os lábios. Ganhei) 

 

 

(Aparte: já não é a 1ª vez que, face ao "és chata" da parte do pai e insistências das piolhas em não levar casaco, que as mesmas, no primeiro intervalo da manhã, me telefonam "Mãe... estás a trabalhar? Podias vir trazer-me um casaco quentinho? Está frescote..." Ahhhh, mãe sabe.)

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

publicado às 09:31

Clássicos (verbais) da maternidade #1

por t2para4, em 03.06.18

Ou "como me tornei na minha mãe sem me aperceber" #1

 

Inicio esta rúbrica com os dizeres e as expressões maternais que nunca pensei usar mas que herdei da minha mãe. E que, contra todas as minhas vontades e expectativas, me fazem ficar como ela.

 

Depois de estar de volta do aspirador, da esfregona, dos panos do pó, dos detergentes para a casa de banho, ainda ter ajudado uma piolha a fazer um bolo que quer levar para a terapia ocupacional, ter separado 664646468786 resmas de papel desenhado e esvaziado gavetas - se alguém me disser que isto não conta como exercício físico, eu escravizarei essa pessoa -, este é o clássico verbal da maternidade que me sai boca fora quando vejo as piolhas a ir à cozinha, na sua busca de algo para comer:

 

Não quero migalhas em lado nenhum, que acabei de aspirar. 

 

Ora toma.

 

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

publicado às 15:25

Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados






Parceiros


Visitas


Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Translate this page


Mensagens