Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mudasti! (mas só um bocadinho)

por t2para4, em 10.05.18

6b336f120fceaa2e89e931a3cf663239.jpg

 

 

Naquele dia atarefado e ocupado e elétrico, marquei cabeleireiro, aproveitando assim um súbito pensamento que ocorrera. Já não cortava o cabelo há cerca de 2 anos e só tinha ido esticar em maio do ano passado. E lá fui eu hoje. A ideia era cortar as pontas. Mas...

Ontem andei a fazer experiências a tentar enrolar imenso cabelo para cima para tentar ver como seria curto e mostrar às piolhas para me darem a opinão delas. E elas diziam que com o cabelo curto parecia que tinha aneis (só percebi hoje que eram caracóis largos) e para eu cortar "só as pontinhas, mãe". O marido gostou e achou que ficaria bem. Eu não me tinha decidido mas não queria torná-lo tão curto com o tive há uns 4 ou 5 anos e que me fez estar longe do cabeleireiro quase 2 anos. 

Fui ao google pesquisar cortes de cabelo pela altura dos ombros. Fiquei apaixonada por uns que ficariam bem no meu cabelo rebelde. Guardei a imagem e decidi-me.

 

Fui ao cabeleireiro. Quando a cabeleireira me viu entrar, sorriu e eu, em jeitos de desculpa, lá lhe expliquei que, de facto, não dou muito lucro a este negócio mas que ia com gosto. E que tinha mudado de ideias quanto ao cortar as pontas e esticar. Ia apenas cortar. Assim - e mostro a imagem. "Bem, isso é que é coragem!"

 

Não tive hipótese de guardar o cabelo como tinha inicialmente pensado pois estava muito seco e com pontinhos brancos nas pontas. Se não é bom para mim, não é bom para ninguém. De espelho em riste, lá acertámos que cortaríamos abaixo do nível dos ombros, em escadeado mas a direito. Uma estreia para mim, nestes meus quase 38 anos de vida. Depois da primeira tesourada, vi o resultado e gostei bastante, estranhamente. 

O resultado final foi muito menos cabelo, mas muito mais leveza, mais solto. E um ar muito diferente. Incrível como um corte pode mesmo mudar o aspeto de uma pessoa. 

 

 

32252943_2097858347151866_7722231604843642880_n.jp

 

Uma mudança e tanto, não? Não pintei o cabelo, embora pareça. Desisti de pintar em janeiro e não me arrependo.

Agora é continuar os habituais cuidados que já tinha (champô + máscara + condicionador + sérum).

 

A reação das piolhas foi o máximo. Quando cheguei a casa, ainda não me tinham visto pois vinham pelo corredor abaixo de luzes apagadas. Ao ver-me, uma dizia "Mãe, estás tão linda!" e a outra "Agora estás com aneis aqui" (e percebi que apontava para uma parte mais ondulada, "mas gostamos muito!"

Foi uma enorme mudança e elas reagiram muito bem. Não poderia estar mais satisfeita. E sinto-me estranhamente bem comigo mesma. Para o ano, logo vejo se mantenho ou mudo, eheheheh

 

 

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09

É só um dia perfeitamente comum

por t2para4, em 08.05.18

Só que não. O mais preocupante é que acabo por ter alguns - demasiados - dias assim...

Como expliquei no facebook do blog, o mundo acabou por volta das 6h10, altura em que acordei as piolhas porque precisávamos de ir à estação de comboios no centro de Coimbra. Foi uma tragédia em 3 atos que terminou comigo a tocá-las para se mexerem ou ficavam em casa (estou para me rir no dia em que se atreverem a fazer-me cumprir esta ameaça em específico...).

Portanto, em jeitos de agenda:

 

6h10 - toque de alvorada, pequenos-almoços, vestir, não há tempo para ver TV hoje, mexam-se, depois voltamos a casa para tratar dos lanches (merd@, esqueci-me de tirar pão para descongelar, tiro já e logo estará bom).

6h45 - saída de casa, não quero barulho nas escadas que os vizinhos estão todos a dormir, shhhhh, vocês não ouviram o que eu disse - em sussurro ralhante

6h50 - bora lá buscar a tia, têm os cintos?

7h20 - chegada à estação dos combóios, olha tantos estudantes parecem estar bem mas podem estar a destilar mas pelo menos podres de bebedos não estão e não há ninguém a vomitar, posso ir aqui pela Beira-Rio, vou estacionar aqui e escuso de ir à rotunda das bombas lá à frente, tiro a mala da tia do carro, despedidas, liga quando chegares e tu também, vai com cuidado.

7h30 - viagem de regresso com conversa interessante sobre as festas académicas de Coimbra, os cursos não terminados do pai (que afinal até está em melhor situação laboral do que a mãe licenciada), um dia podem usar as nossas capas, querem ir a um cortejo da Queima das Fitas, explica tudo com pormenores e lá combinamos que para o ano vaos à Queima de pastas com fitas e capas

7h55 - voltamos a casa, tomamos um café forte, preparamos os lanches, não há tempo para ver TV, desliga isso, quem te mandou ligar a TV, onde está o teu casaco, onde estão as carteiras com os telemóveis e os cartões, arrumem os lanches na mochila, querem levar os resumos de ciências?

8h20 - vamos de carro para a escola porque assim já sigo para o trabalho, ó bolas, esqueci-me do portefólio no meu 2º trabalho, têm o cinto? tenho de lá ir buscar o raio do portefólio, portem-se bem, juízo, leiam as perguntas com atenção, peçam ajuda à professora se não perceberem tudo, bejinhos, até logo, sou eu que vos venho buscar.

8h30 - tenho uns trocos, vou ali para um pastel de nata e um sumo de laranja natural, bolas, que estou elétrica.

8h45 - raios, afinal o portefólio não está aqui, tenho de voltar a casa, está na outra pasta de certeza, ligo ao marido e siga viagem

9h15 - chego à escola, verifico correio, sou informada de que vamos mudar de sala por causa das provas de aferição, não posso passar para o edifício habitual, espero pelas funcionárias, tenho de cumprir esta planificação, para a semana há ficha, ó sorte que ainda não as comecei, talvez as do ano passado possam servir de base.

9h30 - começa a aula na sala de educação visual e tecnológica com um quadro diminuto e muito alto até para mim e mais de metade dos alunos deixou os livros e cadernos na outra sala para onde não podemos ir por causa das provas de aferição, inventa material com truque de magia, faz revisões e é uma das melhores aulas dos últimos meses mesmo sem condições

10h25 - como usurpámos aquela sala vem aí outra turma e saímos mais cedo, bora lanchar, que fome, quero um café bem forte se faz favor, raios, esqueci-me do cartão, vejo o que se passa no facebook, a rede está lenta, pronto vejo em casa, vou buscar folhas brancas para a turma seguinte, respondo aos sms de uma colega e combinamos um café para amanhã, uma colega mostra-me um vídeo a parodiar "Amor para a vida toda" com refrão "Mas tu vais viver aqui em casa a vida toda?" e é de dar gargalhadas.

10h30 - próximo round, todos têm material, vamos fazer revisões e construir este booklet sobre as vossas preferências, estamos na sala de música e vejo trabalhos com materiais iguais aos das piolhas e ocorre-me que elas não construíram uma orquestra mas só colaram as figuras, falta aqui uma bateria, que sala tão fixe, que turma fantástica podiam ser todas assim, façam fila, não quero barulho no corredor porque há aulas.

12h - de volta a casa no carro, vou fazer rancho para o jantar de hoje + marmita de amanhã + almoço das piolhas que amanhã almoçam em casa, boa ideia, ainda tenho de fazer sopa, tenho umas sobras de ontem vai ser esse o meu almoço, tenho de me lembrar de levar os rojões que estão na arca.

12h30 - que fome, vou ler umas páginas do "Moby Dick" enquanto almoço. 

12h45 - toca de adiantar o jantar, bolas, esqueci-me dos rojões, toca de os ir buscar, agora faltam cebolas, ai o caneco, vou deixar isto orientado e sair a pé para ir buscar as cebolas ali ao lado.

13h15 - levo cebolas, umas velas e uns morangos, olá a meia dúzia de pessoas conhecidas, estamos todos ao mesmo na hora de almoço, até logo

13h40 - pronto, tudo orientado para logo, arrumo louça, lavo banca, máquina da roupa ainda pode levar a roupa de hoje antes de lavar, tenho de ir marcar as páginas e exercícios de matemática para as piolhas fazerem, não me posso esquecer do meu lanche da tarde, preparo a minha pasta para as aulas da tarde no meu outro local de trabalho, vejo emails, dou um salto ao facebook e vejo a notícia da calculadora para a reforma e não quero ficar deprimida mas descubro que uma atividade principal + recibos verdes passam a contar na totalidade para valor de subsidio de desemprego, esperemos que não seja necessário mas são boas notícias. 

14h15 - tanta roupa para dobrar, deixa cá tratar disto enquanto vejo uma série "Timeless", ok, está fixe e é curtinha ocmo convém hoje, será que já siau um The BlackList?, tudo dobrado.

14h50 - preciso de um café, vou preparar-me para buscar as piolhas, já volto a casa para as deixar e levar as minhas tralhas.

15h05 - na escola à espera, não estou mal estacionada, ai que elas nunca mais saem e eu com o tempo contado, olá como foi o dia, correu tudo bem?, o teste era fácil? Fizeram as perguntas todas? Têm o cinto?, vamos para casa, façam os exercícios marcados, amanhã têm uma folga mas hoje precisam de rever aquilo, o pai ajuda, tablet só no horário e não quero batotas

15h28 - porra, já vou chegar atrasada, bolas esqueci-me do lanche, que se lixe, são só duas horas.

15h33 - 17h55 - vira para um lado, vira para o outro ajuda aqui e ajuda ali, escreve este texto e compõe aquele, que sai no teu teste?, liga o computador, agora empancou e não se liga à rede, é só um minuto, já está, vamos analisar este vídeo clip, então, até para a semana, see you, olha a minha vida soube agora que há reunião extraordinária e não sei se consigo ir porque tenho aulas sobrepostas, eu depois mando email com os documentos pedidos, tenho de cortar o cabelo (só as pontas!!) é melhor marcar já para esta semana senão só para o ano.

18h - Quico, Silvestre, comidinha, andem vamos, ó coisas boas, seus gôdos malucos, ronrom para ti também.

18h15 - Ainda tenho mais um assunto para tratar no centro, espero arranjar estacionamento logo lá. Ufa, fixe, está um bocado saído de traseira, não demoro nada, já está, bora para casa, bolas, a biblioteca já fechou e eu não renovei a requisição, deixo cartão com o marido e amanhã ele trata disso.

18h25 - que frio é este, primavera bipolar, olá família, estão bons? Fizeram os exercícios todos, uau! Estou muito orgulhosa, vejo emails, olha que máximo descubro uma série de exercícios rápidos no Pintrest, é o ideal para mim que ando sempre a correr mas precisava de voltar à atividade fisica, vou imprimir e começo já na 5ª feira, envio documentos, faço contas a pagamentos, atualizo grelhas, preparo mala para dia seguinte antes que me esqueça de mais coisas, toca a ir preparar as mochilas, raios amanhã há ed física tenho de ir preparar o saco, deixem lá corrigir o trabalho feito, muito bem, vão buscar a ficha formativa para estudar um pouco, onde está a mochila que precisa da alça cosida?, toca de ir buscar a caixa da costura e coser.

19h15 - porra que já me atrasei com isto, vou para a cozinha, ligo placa e começo a cozinhar, arrumo outra louça, tenho de ir buscar mais vinho branco a casa dos meus pais, conversa para aqui e para ali, começa este post.

20h - jantar na mesa, lavar as mãos e acabar de pôr a mesa, não enchas já o bandulho de água, usa a faca, junta a comida no meio do prato, senta-te em frente ao prato, diz o marido parem de gritar, parece uma casa de malucos, come devagar, pára de beber água, é para comer o grão todo, separo a refeição para o dia seguinte, arrumo louça na máquina, não cabe toda que se lixe, programo máquina para lavar no bi-horário, tenho de tirar pão para o lanche de amanhã

20h50 - continuo o post, vou ajudar as piolhas a lavar o cabelo e a secar, preparar o bendito saco de ed física e roupas para amanhã, que tempo faz, raio de coisa, talvez umas camisolas desportivas e umas gangas e sapatilhas, programo a máquina da roupa para o bi-horário, tiro o pão para os lanches de amanhã, arrumo a mesa, lavo a banca e a placa.

21h15 - trato dos cabelos das piolhas, arrumo mais umas coisitas que estão fora de sítio, preparo o que vou vestir amanhã

21h30 - vá, toca a lavar dentes e ir para a cama, ok, pode ser no fim do Scooby Doo, como já lavaste os dentes em 30 segundos?, volta a escová-los, não quero fitas, aconchego cobertores, beijinhos, ate amanhã, sweet dreams sleep well

21h50 - escolho a roupa para amanhã, vou tomar um banho, estou cheia de comichão até no corpo, malvadas alergias, ocorre-me será que tenho piolhos, deixa cá ver se anda aqui alguma coisa, ufa que alívio, só sugestão, raio de praga, até ia ver um bocado de TV, deixa ver se tenho emails antes, e ler era fixe, não sei se aguento, estou tão cansada, eu fico aqui sentada a decidir.

22h15 - que se lixe, vou para a cama, amanhã faço o resto, bolas, entro cedo, talvez leve já as piolhas, logo vejo, vou entrar em coma.

 

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

Quase... Mas não chega.

por t2para4, em 23.04.18

As opções - e os princípios -, às vezes, não seguem a estrada que deveriam seguir.

Mais uma vez, e desta vez já quase a sentir o mar nos pés, vou morrer na praia. Por optar estar com as piolhas e acompanhá-las no seu pleno e não poder trabalhar a tempo inteiro, fui - sou! - penalizada e não posso concorrer ao concurso extraordinário de professores para vincular. Parte de mim deprimiu e esmoreceu ainda mais um bocadinho quando tive de escolher "Não" - não serei opositora ao concurso extraordinário de vinculação. Porque o último ano em que reúno os tais 365 dias necessários para vincular foram já há 7 anos. No ano seguinte fiquei desempregada e os seguintes - até este preciso momento - têm sido sempre horários incompletos. Em parte, por opção porque, de facto, até me dá jeito ter um horário que me permita decalcar o das piolhas e estar sempre disponível para elas -, mas também em parte porque não consigo horários completos. Porquê? Porque o meu leque de escolhas é muito diminuto. Por opção. Pelo bem das piolhas. 

Fora da escola, em conjugação como freelancer, consigo o tal horário completo mas só um décimo desse horário me dá tempo de serviço vital para poder concorrer ao concurso nacional de professores. Porque, apesar de tudo, adoro mesmo o que faço e não consigo visualizar-me a fazer outra qualquer coisa.

 

Neste país, neste momento, sinto que fui penalizada por ter optado pelas minhas filhas e por as pôr sempre em primeiro lugar; sinto que fui penalizada por ter optado acompanhá-las numa luta inglória, injusta e desmesurada contra o autismo que nos entrou pela porta dentro sem pedir licença; sinto que fui penalizada por nunca ter parado de trabalhar mas por apenas ter uns quantos anos de serviço que ainda não enchem as duas mãos embora desconte desde 2003. 

 

Mas, como já me habituei a ver o copo meio cheio, serei contratada com todo o gosto. Sei que, mesmo sabendo que vou perder o meu lugar na escola onde estou agora pelo 2º ano consecutivo, haverá algures na área geográfica que escolho, um horário para mim, num dos meus vários grupos de recrutamento. E pode ser incompleto e/ou temporário que eu cá me arranjo. Porque, independentemente da praia que o MEC possa arranjar, eu posso não chegar ao mar mas ainda o consigo ver e cheirar. As minhas filhas primeiro, o resto depois.

 

 

st,small,215x235-pad,210x230,f8f8f8.lite-1u2.jpg

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19

Em preparativos

por t2para4, em 17.07.17

Eu sei que ainda falta pouco mais de uma semana para o aniversário das piolhas mas, hei!, passa a voar!!! E são dez anos - dez!!!!!!! Uma dé-ca-da!!!!!!!!

 

Cá ando nas minhas pesquisas pois, este ano, no ATL, a celebração com os coleguinhas de sempre terá como tema "gatos". Ora, conheço uma gatinha fantástica que fará as delícias das piolhas (e as minhas!) - e não, não é a Hello Kitty, já passámos essa fase.

O que já tenho pronto? A moldura - e porque não fui eu quem a fez... Estamos bem, não é? Mas cá me arranjo: falta apenas fazer a pinata, encomendar os bolos com a imagem que quero e fazer a gata para colocar na moldura para as fotos.

Comecei há pouco, por aqui. E, entretanto, distraí-me...

 

 

 

 

Já deu para perceber que vai ficar fantástico, não vai? Adooooramos aquela gatinha...

"we think you oughta, no you really gotta see the bright side of the dark side"... 

 

 

 

 

 

 ---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37

Em apenas uma imagem...

por t2para4, em 27.06.17

... acho que se resumem os últimos tempos: o descanso momentâneo do corpo na areia e dos olhos e da alma com a admirável paisagem; as brincadeiras das piolhas em plano de fundo; o vigiar constante: não muito próximo, para se poder treinar a autonomia e a responsabilidade, nem muito longe, para se poder chegar-lhes a qualquer instante.

As minhas meninas, a minha motivação, a minha razão de tudo - a minha vida, basicamente. 

 

 

IMG_20170625_113734.jpg

 (foto tirada na Foz do Minho, com Espanha à direita, o Oceano Atlântico em frente e o Forte da Ínsua à direita)

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:16

Ora, vamos lá a prioridades

por t2para4, em 22.06.17

- O términus do ano letivo das piolhas (e da mãe, já agora - ou , pelo menos, aliviar um pouco a carga)

- A entrega de documentação necessária para a matrícula das piolhas no 2º ciclo (!!! Como e por onde raio se passou este tempo!)

- A sincronização da agenda das piolhas com as atividades de ATL e as nossas atividades, as nossas reuniões, as nossas coisas de trabalho

- A preparação do 10º aniversário das piolhas (!!!! Again, 10?! d-e-z  a-n-o-s?!)

- A realização de todas - mesmo todas - as atividades da nossa bucket list de verão

- As saídas em família, para longe, para fugir, para descansar, para conhecer

- O ignorar de quem não é nem vem por bem

- A fase final do concurso de professores, munida de google maps e códigos de escolas e agrupamentos

- Os mimos da avó

- O dar continuidade à aposta numa alimentação saudável e adequada às nossas necessidades e às estações do ano

- O apanhar muito, muito, muito, mas muito mesmo, muito sol

- O cuidar de mim porque sim, porque tenho uma família para cuidar, porque tenho filhas para criar, porque não posso morrer nem por um segundo

- A reorganização de mobílias no T2

- O recomeçar e terminar da pintura do meu carro, à la nossa moda (que é como quem diz, um do it yourself)

- O destralhar em forma de calendário (todos os dias uma área, seja ela qual for)

- O viajar muito e cada vez mais

- O viver.

 

Hoje fui ao tapete mas em micro-segundos lá me levantei de novo. Não tive tempo para pensar em desgraças nem para imaginar filmes. Não tenho tempo para estar no chão a amargurar. Se tenho de o fazer, que vá amargurando enquanto faço algo. Por isso, op e toca a andar que temos muito que fazer. 

Para juntar à lista das prioridades (que, não sei se repararam, é muito pouco social - go figure...), começa hoje mesmo um cuidar de mim que só terminará por daqui a meio ano mas que, na opinião da minha adorada neurologista (Dra Marlene Esperança Carvalho, um doce de senhora, uma profissional incrível), me trará boas novas em apenas dez dias. Por isso, vou ali tratar de umas lesões microangiopáticas circulatórias e explusar umas enxaquecas de vez. Volto já. 

 

 

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

A propósito do dia de hoje

por t2para4, em 08.03.17

Num mundo e numa era muito comercial e com deturpação das origens e verdadeiras mensagens de datas importantes a assinalar, as piolhas achavam que seria mais uma festa com trocas de presentes, apesar da sua boa vontade e carinho de querer "premiar" as mulheres das suas vidas.

Lá lhes tentei explicar, em versão rápida e curta e sucinta, que a vida não corre de feição para as mulheres, ainda que vivamos num pedacinho de céu. E contei-lhes que a discriminação contra as mulheres ocorre em formas tão subtis que parecemos nem notar: ordenados mais baixos, cargos de chefia limitados, despedimentos por gravidez, ilegalidade nas questões em entrevistas de trabalho, trabalho doméstico, etc. E ainda lhes disse que, em muitos países, as mulheres nem sequer vão à escola, podem usar determinados tipos de roupa, votar ou tirar a carta de condução. Basicamente, it's a men's world though they need women...

 

Estou com a neura. E depois de o marido me ter chamado agorinha mesmo à atenção para uma publicidade do stand virtual sobre o dia da mukhere e sensores de estacionamento, a neura aumentou ainda mais. Mas, enfim, não estou para isto.

 

Quero que as minhas filha s- que serão mulheres neste mundo e sociedade - nunca jamais em tempo algum deixem de se sentir bem na sua condição ou se sintam inferiores a quem quer que seja. Que continuem a ir à luta como têm ido até agora. E que saibam que há mulheres incríveis em todas as épocas, em todas as sociedades, em todos os lados - e que, independentemente dos entraves - nunca desistem e abrem pequenas brechas que se transformam em portas, mais tarde, para que outras mulheres possam seguir os mesmos caminhos. 

Não é feminismo, não é sufragismo, não é andar de maminhas ao léu e queimar soutiens: é ser-se mulher sem discriminação, é saber-se apreciar o esforço de uma mulher, apesar de tudo. A História reza de muitas mulheres que se transformaram nos chefes de família e nos trabalhadores da família, conseguindo não só mostrar o quão fantásticas elas são nos seus papeis multitasking, como também mostrar que são capazes. De tudo.

 

http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-03-08-Carolina-votou-em-1911.-Foi-a-primeira-e-a-Republica-mudou-a-lei-para-impedir-o-voto-feminino 

 

Logo, será disto que falarei às piolhas. E aos meus alunos também, se surgir. 

 

 

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook ------------------- 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43

Hoje precisei de rever os meus arquivos de conteúdos e matérias dadas em anos letivos anteriores para usar um material específico que tinha em mente. Uma das coisas de se ser professor é que, em muitos casos, pegamos num qualquer material e lembramos uma turma ou um aluno ou um momento.

Eu mandei imprimir aquele material e não consegui evitar que um certo 1º ano me viesse à memória: o J. tão inteligente e tão fluente no inglês que me ajudava tanto nas aulas mas que não conseguia evitar algumas das suas esterotipias... O J. que tem autismo e que deve estar tão crescido hoje... A A. também me veio à memória, com a sua vozinha estridente e certeira, a colocar as coleguinhas mais matreiras no lugar que àquela ninguém come as papas na cabeça. E, por associação de ideias, veio à memória a sua mãe... que faleceu em julho e me parece tão irreal, não parece ter acontecido... Que ainda tinha tanto mas t-a-n-t-o para viver e fazer por cá... 

Não sei se existe isso de "ter chegado a sua hora" - afinal, quem decide essa hora? -, sei, apenas que hoje ela esteve presente nos meus pensamentos. E o facebook não ajudou muito pois, ao lembrar-me de uma memória, vejo a sua cara sorridente e tão feliz, caramba... Há 2 anos atrás. Como é que é possível que em tão pouco tempo ela seja apenas e somente agora uma memória?

 

Bah, não sei lidar com isto. Nem com recordações antigas de alunos que me são queridos e de quem nunca mais sei, nem com a morte de alguns alunos (e já lidei por 2 vezes com isso, é de uma sensação de impotência atroz), nem como lidar com estas memórias que surgem e que me deixam triste por terem partido. Estão cá. Não sei se por alguma razão, em particular, apenas estão.

 

Talvez ajude usar esses mesmos materiais que me levaram, por associação de ideias a estas memórias, criar novas memórias com outras crianças, outras realidades. O que se mantém é o mesmo entusiasmo. Este material que eu procurava hoje, em particular, é daqueles que cativa e que consegue por uns olhinhos a brilhar ao transformá-lo. Afinal, não é todos os dias que podemos fazer um livrinho, numa sala de aula, e com a ajuda da teacher :) 

 

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook --------------------

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36

Coisas de gaja, pode ser?

por t2para4, em 12.09.16

O nosso sistema nervoso é qualquer coisa de incrível. Em alturas de maior ansiedade ou stress, há sempre pequenos sinais de que algo não está como deveria e, na maioria das vezes, controlar isso é muito complicado.

 

A minha relação com unhas, cabelos e afins não é uma relação fácil. Quando estou mais ansiosa e enervada com algo, o cabelo começa a cair estupidamente (e depois nasce novo e fico com imensos cabelos bebés indomáveis levantados no cocuruto) e as unhas começam a escamar (o que é sempre uma coisa fantástica e muito estética - not). Após muito esforço da minha parte (seruns, fortificantes, suplementos, etc.), desisti de tentar salvar as minhas unhas. E ceder à tentação de as roer era em instantes. O cabelo foi fácil: um pouco ao engano, passei de um comprimento pelo fundo das costas às orelhas, embora tenha pedido pelo pescoço - tudo o que estava estragado foi fora mas não gostei da mudança quase radical, é demasiado dificil de domar e dá muito mais trabalho que um cabelo comprido.

 

Bem, unhas. Tinha prometido a mim mesma que nunca jamais em tempo algum voltaria ao verniz gel e familiares (ficava com as unhas em papel, tudo doía, pagava uma fortuna e aquilo começava a saltar ao fim de 2 dias - às vezes, no próprio dia. Cheguei a convencer-me que o problema era meu pois as outras mulheres com unhas semelhantes aguentavam-nas semanas a fio). Mas nenhuma das soluções aparentemente saudáveis e médicas estava a surtir qualquer efeito e voltei a ter uns tocos em lugar de dedos. E, a dar aulas a adolescentes com unhas maravilhérrimas, eu sentia-me, além de envergonhada, desconcertada com o que se passava.

Farta de ter vergonha das mãos, decidi dar-me uma ultima oportunidade. Pedi ajuda a uma pessoa fantástica que entrou na área por hobby - e que acabou por se apaixonar à séria pelo hobby- e dei-lhe o susto da, então, curta experiência na área. Foi um grande desafio e sempre lhe disse que, superando este, superava qualquer coisa. E foi mesmo: em apenas 2 semanas, vimos resultados incríveis. E, a partir daí, com muito profissionalismo, muito empenho e muito carinho, tenho umas unhas fantásticas (apesar das suas características únicas: uma delas partiu-se sem partir o verniz, vá-se lá entender isto) e consigo fazer tudo sem medo de estragar a manicure (o que inclui lavar todos os tapetes e carpetes lá de casa este verão). Afinal, eu só precisava de encontrar a pessoa certa... E, nesse aspeto, posso dizer que tive muita sorte pois, não sendo beauticista (acho que agora se diz assim) de profissão (profissão principal, entenda-se), o que faz, faz com formação adequada, com gosto e com muito cuidado. Nunca vi ninguém não abusar dos instrumentos de remoção ou cuidar tão bem da unha natural como ela faz. 

E confio. Se ela me diz que uma determinada cor aguenta mais tempo por causa dos pigmentos, ou um verniz de cobertura brilhante protege mais a unha do que outros, eu acredito porque, de facto, vejo isso. E experimentamos. Neste momento, faço as unhas de 3 em 3 semanas. E vejo-as crescer, vejo-as naturalmente bonitas quando se retira o verniz, vejo unhas compridas sem formatos esquisitos e sem dobras e sem ondulações que não saem agarradas ao verniz caso ele se solte.

 

Este verão, o sucesso foram os vernizes térmicos. Até o marido achou imensa piada e gostou. E, depois de ter visto a diferença abismal entre como eu tinha as mãos antes e com as tenho agora, já não acha que tratar das unhas seja uma futilidade. A verdade é que, agoram tenho umas unhas fantásticas e bonitas. E que posso personalizar, por assim dizer. Depois dos vernizes térmicos (o último mudava de azul escuro para azul clarinho, quase branco), agora tenho um pouco de nail art: uma maçã e as letras ABC (porque achei que ficava pindericamente fantástico começar o ano letivo com algo muito associado à escola).

 

 

IMG_4284.JPG

 Pode não parecer, mas é o mesmo verniz: em escuro quando tenho as mãos frias; em azul clarinho, com as mãos quentes. O mais fixe é quando faz um degradé e fica em vários tons de azul.

 

2016-09-08_182231.jpg

 Back to basics: vermelho é uma cor que fica sempre muito bem, em todas as estações do ano. Mas confesso-me curiosa de ver como ficam os castanhos escuros (e se se aguentam nas minhas unhas). Pode soar fútil - afinal são só unhas - mas eu valorizo muito todo este caminho porque quase não tinha unhas.

Estou orgulhosa de quem teve a paciência e a arte para me ajudar a ter chegado tão longe e orgulhosa de mim por ter chegado aqui. 

 

 

 

PS - As piolhas usam vernizes normais. E, por regra, só no verão. No inverno, não têm muita paciência nem costumam pedir para pintar as unhas.

 

 

 

 

 

-------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Pois é. Neste país somos todos peritos em várias coisas, somos experts em muitas coisas e somos mesmo profissionais a dar opiniões - geralmente que ninguém pediu. Mas damos na mesma, tal é a nossa boa vontade.

 

Eu sei que a vida profissional na área do ensino está má.

Eu sei que há grupos disciplinares/recrutamento com milhares de pessoas à minha frente e atrás de mim.

Eu sei que sou da área das línguas estrangeiras (fui eu quem escolhei o curso e terminei, remember?)

Eu sei que o ensino foi chão que já deu uvas há muitos e muitos e muitos anos.

Eu sei que, em tempos bons, serei sempre e para sempre uma contratada que, se hipoteticamente, alguma vez ficar nos quadros alcançará um 5º ou 6º escalão já que chegar ao 10º há de ser quando eu tiver 150 anos e 80 de descontos.

Eu sei que é todos os anos a mesma coisa: luta contra o desemprego, concursos, escolha de escolas com o guia michelin e google maps à frente, ansiedade, etc.

Eu sei que há mais profissões no mercado.

 

O que eu não sei é onde estavam essas pessoas que me dizem todas estas coisas (e outras bem piores - lá chegaremos) no meu 9º ano, aquando da escolha e orientações vocacionais. Ou aquando do meu ano decisivo. Ou até aquando do preenchimento da folha para os exames nacionis. Ou até aquando da minha candidatura à universidade.

 

Meus amigos, vamos lá a entender-nos.

Eu não critico nem condeno nem aponto o dedo a ninguém que quisesse ter seguido a área de, digamos, enfermagem (que, já agora, está ligeiramente pior que a do ensino) ou administração pública ou engenharia civil ou tivesse ficado pelo 12º ano ou até pelo 9º ano (o limite da escolaridade obrigatória nos anos 90).

Eu quero lá saber se trabalham numa loja numa caixa de supermercado num banco ou numa multinacional. Trabalho é trabalho e deve ser sempre motivo de orgulho.

Eu quero lá saber se trabalham por conta de outrém, se por conta própria, se são freelance, se estão no quadro ou se vivem de contrato a contrato.

Eu quero lá saber se optaram por ir trabalhar ou ficar em casa, alargar a licença de maternidade ou trocá-la com o marido ou puseram um ano ou dois ou três sabáticos ou tiraram uma licença sem vencimento.

Eu quero lá saber se emigraram ou imigraram.

 

São opções. Opções que, certamente, terão sido ponderadas, pensadas ou acasos que formaram um caminho que se revelou percorrível (existe, esta palavra?) ou nem por isso e mudou-se de ideia.

São escolhas pessoais . Escolhas essas que se refletem no campo e vida profissional de cada um e não são do departamento nem da alçada de mais ninguém.

 

 

Eu escolhi ser professora. Eu decidi-me, definitivamente pela via do ensino no meu último ano de faculdade, depois de recuperar de uma depressão e esgotamento nervoso. Optei pelo ensino em detrimento de uma entrada na Polícia Judiciária (já que as vagas em aberto não contemplavam o meu curso nem escolaridade mínima sem ele), continuei a seguir o ensino mesmo depois de ter sido chamada para fazer os testes de aptidão para a Polícia Municipal. Andei, muitos anos - quase todo o meu percurso de ensino superior - indecisa entre o ensino e a área policial. E optei pelo ensino. E, apesar de, por vezes, principalmente, entre junho e outubro, pensar que foi o pior que poderia ter feito, não sei se alguma vez seria tão boa agente como tento ser docente. Não sei se alguma vez as coisas fluíriam de forma quase natural se eu tivesse enveredado pela área policial.

Não quero mudar de profissão. Já passei por muito pior nesta área e consegui sempre, entre um buraco e outro, uma lugar e outro, algumas horas que me deram uma tremenda experiência, tempo de serviço e salário, descontos e contagem de tempo para a reforma (que, por causa de uma decisão mal tomada na altura, está quase paralela com o nº de anos de trabalho.

 

 

Não, lamento, mas não quero emigrar. Não me interessa minimamente quantas línguas falo, se sou fluente, se me dariam equivalências para o ensino em qualquer outro país. Não quero emigrar. Gosto do local onde vivo - senão teria mudado quando casei. Gosto da qualidade de vida que a minha pequena cidade e proximidade com uma grande cidade capital de distrito me proporciona. Gosto de abrir o estoro e ver uma serra nevada ou enevoada ou ver a lua subir por detrás das colinas. Gosto de ter todas as condições de apoio necessárias para as minhas filhas e as suas necessidades. Aceito o meu país e a minha localidade como são, com virtudes e defeitos. Gosto do sol, do clima, da comida, da vida que levo no meu país.

Não emigrei aquando do pior por que todos passamos, não me parece que vá fazê-lo agora, até porque se, alguma vez o fizermos, os que me mandam emigrar, terão sorte e nunca mais me/nos verão pois não regressaremos nem de férias e até mudaremos de nacionalidade. Mas não pretendemos chegar a tal.

 

 

 

Não me interessa o que fariam no meu lugar se fossem professores ou professores de línguas. Essas pessoas não são eu, não passaram pelo que passei, não vivem a minha vida, não tomam decisões por mim.

Estou-me com-ple-ta-men-te nas tintas para a opinião acerca do que poderia ter feito ou onde/como poderia estar se eu não tivesse decidido mudar de estratégias e alterar prioridades. Meus amigos, vamos lá a ver, eu optei (sinónimo de escolhi) colocar as minhas filhas em primeiro lugar ao invés de colocar a carreira (seja lá o que isso for nos dias que correm) e desistir de fazer mestrado (seja lá o que isso for também nos dias que correm). O que, aos olhos de todos foi um grande disparate pois até fiquei colocada durante anos a fio em bons horários e sempre pertíssimo de casa MAS implicavam uma dedicação quase total em horas e trabalho que eu nunca conseguiria mostrar, revelou-se a melhor decisão tomada enquanto família. Eu e o marido, logo após o diagnóstico de autismo das piolhas, ponderámos muita muita coisa, fizemos muitas muitas contas (parecemos uns contabilistas merceeiros) e decidimos atrasar a evolução profissional de um de nós por algum tempo - o que estivesse profissionalmente mais instável - de modo a poder estar 100% disponível para tudo - e eu digo mesmo tudo  - que envolvesse as piolhas: terapias a qualquer hora do dia, consultas aleatórias, urgências, chamadas constantes da escola. Se eu tivesse uma profissão que os outros chamam de normal, eu seria despedida em menos de três tempos, nunca me renovariam contratos, nunca poderia voltar a trabalhar. Assim, com a vantagem de trabalhar muito menos horas do que o marido e ter horários condensados em partes do dia (manhãs ou tardes, 1h aqui ou ali), deu perfeitamente para conseguir acompanhar tudo e faltar o mínimo possível.

E, guess what?, resultou. Resultou mesmo. Hoje, 5 anos depois de um diagnóstico (em dose dupla) que nos paralisa e nos obriga a mudar tudo num mínimo espaço de tempo possível, eu já consigo ter quase as mesmas horas de trabalho de um professor de 3º ciclo e secundário - ainda que isso implique trabalhar por conta própria em determinadas situações e não seja correspondente ao salário tabelado -, consigo continuar a saga do acumular tempo de serviço, consigo ter um salário que alivia um pouco a obrigação do marido de ter que trabalhar por 1 pessoa e meia. Passo o verão a pensar em setembro e outubro mas não acredito que venha a ser pior do que já foi.

 

 

Por isso, para esses "orientadores vocacionais", tão cheios de certezas e lirismos, a menos que caminhem com os meus sapatos nos trilhos que já percorri (isto em inglês soa dez mil vezes melhor), a menos que queiram vir cá para casa ajudar ou a menos que queiram pagar-me as contas, sugiro que mudem de profissão. É que o mercado já está cheio, há demasiada concorrência, há até quem dê conselhos de graça - nem sei como vivem, pobrezinhos- basicamente, há "orientadores" a mais. Emigrem. Por exemplo. Dar conselhos é uma coisa universal, nem precisam de equivalências.

 

 

Boa sorte ;)

 

 

 

 

---------------- Estamos também no Facebook --------------------

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50

Contador

AmazingCounters.com


Direitos Reservados

Algumas das fotos publicadas neste blog são retiradas da Internet, tendo assim os seus Direitos Reservados. Se o autor de alguma delas discordar da sua publicação, por favor informe que de imediato será retirada. Obrigada. Os artigos, notícias e eventos divulgados neste blog tem carácter meramente informativo. Não existe qualquer pretensão da parte deste blog de fornecer aconselhamento ou orientação médica, diagnóstico ou indicar tratamentos ou metodologias preferenciais.


Mais sobre mim

foto do autor







Copyright

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência. Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das identificadas www.t2para4.com/t2para4. Do mesmo modo, este blog faz por respeitar os direitos de autor, mas em caso de violação dos mesmos agradeço ser notificada.

Visitas


Translate this page


Mensagens